Busca avançada
Ano de início
Entree

A microbiota intestinal e sua relação com colonização e infecção por bactérias multirresistentes pós-transplante de fígado

Processo: 19/06840-7
Linha de fomento:Auxílio à Pesquisa - Regular
Vigência: 01 de setembro de 2019 - 31 de agosto de 2021
Área do conhecimento:Ciências da Saúde - Medicina - Clínica Médica
Pesquisador responsável:Luciana Bertocco de Paiva Haddad
Beneficiário:Luciana Bertocco de Paiva Haddad
Instituição-sede: Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da USP (HCFMUSP). Secretaria da Saúde (São Paulo - Estado). São Paulo , SP, Brasil
Pesq. associados: Alcione Sanches de Alexandre ; Aline Maria da Silva ; Anne-Catrin Uhlemann ; Edson Abdala ; Hugo Marcelo Ribeiro Barbosa ; João Carlos Setubal ; Liliana Ducatti Lopes ; Luciana Bertocco de Paiva Haddad ; Luiz Augusto Carneiro D'Albuquerque ; Maristela Pinheiro Freire ; Raquel Girardello ; Wellington Andraus
Assunto(s):Infecção  Microbiota  Sobrevida  Infectologia  Transplante de fígado  Colonização 

Resumo

Dentre os indivíduos submetidos a transplantes de órgãos sólidos, os transplantados de fígado são particularmente vulneráveis a colonização e infecção por bactérias multidroga-resistentes (MDR), resultando em altas taxas de morbi-mortalidade e impacto negativo na sobrevida após o transplante. O conhecimento dos fatores de risco para o desenvolvimento de infecções por esses agentes é de extrema importância, para que novas estratégias de prevenção possam ser investigadas, tais como uso de probióticos e transplante de microbiota fecal. O objetivo principal desse estudo é comparar a dinâmica da microbiota intestinal entre receptores de transplante de fígado que adquirem colonização por bactéria MDR pós-transplante e aqueles não-colonizados em até 60 dias pós-transplante. Os objetivos secundários são: comparar a dinâmica da microbiota intestinal entre receptores de transplante de fígado que tiveram infecção por bactéria MDR e aqueles que não tiveram, e entre aqueles que sobreviveram e aqueles que foram a óbito em até 60 dias pós-transplante; analisar a relação entre a microbiota intestinal e hepática do doador e a ocorrência de colonização e infecção por bactéria MDR pós-transplante. Casuística: 100 pacientes consecutivos submetidos a transplante de fígado no Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo. Método: Caracterização da microbiota intestinal e do fígado do doador; microbiota do explante e intestinal do receptor (pré-transplante e mais até 7 coletas de fezes até 60 dias pós-transplante). Após extração do DNA, será realizada amplificação da região hipervariável V3-V4 do gene 16S rRNA bacteriano. As bibliotecas 16S serão sequenciadas em Illumina MiSeq. Dados demográficos e clínicos dos doadores e receptores serão coletados, incluindo aqueles relacionados a fatores de risco para colonização e infecção por bactéria MDR. Serão também coletados dados dos resultados de swabs retais de vigilância para Enterobacteriaceae resistentes a carbapenêmico Enterococci resistentes a vancomicina, e Acinetobacter sp resistentes a carbapenêmico. Análise estatística: O desfecho principal será nova colonização por bactéria MDR pós-transplante e, secundariamente, infecção por bactéria MDR e óbito. Serão realizadas análises univariada e multivariada para os desfechos. Para análise de sobrevida, serão construídas curvas de Kaplan-Meier para análise univariada, e regressão de Cox para análises multivariadas. Testes t pareados e não-pareados serão utilizados para identificar diferenças significativas na biodiversidade e abundância de linhagem microbiana entre todos os pacientes e nos diferentes tempos do mesmo paciente. Valores de p<0.05 serão considerados significativos. As análises estatísticas serão realizadas utilizando softwares SAS e R. (AU)