Busca avançada
Ano de início
Entree

Desenvolvimento de sistema adenoviral de alta capacidade expressando genes com atividade antitumoral

Processo: 19/15619-2
Linha de fomento:Auxílio à Pesquisa - Apoio a Jovens Pesquisadores
Vigência: 01 de dezembro de 2019 - 30 de novembro de 2024
Área do conhecimento:Ciências Biológicas - Bioquímica - Biologia Molecular
Pesquisador responsável:Rodrigo Esaki Tamura
Beneficiário:Rodrigo Esaki Tamura
Instituição-sede: Instituto de Ciências Ambientais, Químicas e Farmacêuticas (ICAQF). Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP). Campus Diadema. Diadema , SP, Brasil
Pesq. associados:Cristina Viana Niero ; Ileana Gabriela Sánchez de Rubió ; João Henrique Ghilardi Lago ; Julio Cezar Franco de Oliveira
Assunto(s):Adenovirus  Terapia genética  Toxinas bacterianas 

Resumo

A terapia gênica através de vetores virais possui grande potencial, já sendo usado em protocolos clínicos em humanos. Os vetores adenovirais de terceira geração (alta capacidade, gutless, ou helper-dependentes-HD) são mais seguros que os vetores de primeira geração e possuem alta capacidade de inserção genica, porém a principal limitação para a sua aplicação em larga escala diz respeito à obtenção de partículas virais livres da contaminação pelo vírus helper. Os adenovírus de sorotipos filogeneticamente próximos possuem capacidade de empacotamento cruzado, porém vírus mais filogeneticamente distantes não. Assim desenvolveremos um sistema adenoviral de alta capacidade, em que o vetor gutless e o vetor helper, sejam filogeneticamente distantes e, portanto, o vetor helper seja incapaz de ser empacotado e presente como contaminante na preparação do Ad-HD. Eliminar a contaminação pelo vírus helper tem um grande potencial para aumentar o emprego dos vetores Adenovirais de alta capacidade. Pretendemos empregar vetores adenovirais como veículos para a transferência de genes com atividade antitumoral. Serão empregadas estratégias de expressão de gene suicida aliada a gene imunomudulatório com expressão condicional e de produção de toxinas bacterianas. Os genes da timidina quinase do vírus da Herpes Simplex (HSVtk) e Interleucina-12 (IL-12) são muito bem descritos, sendo um ótimo modelo para iniciar estes estudos, pretendemos clonar os genes HSVtk e IL-12 otimizado em vetor adenoviral com promotor responsivo a calcitonina e avaliar a sua atividade sobre células de carcinoma medular de tireóide. Outro gene que será avaliado é o gene Azurin, que possui atividade seletiva somente sobre células tumorais. Dessa forma iremos avaliar estes vetores quanto à capacidade de induzir morte das células tumorais in vitro e in vivo. Atualmente estamos investigando uma larga biblioteca bacteriana quanto à capacidade de produzir produtos capazes de inibir a viabilidade de células de câncer de próstata, havendo assim a perspectiva de identificação de novos genes bacterianos com atividade antitumoral. (AU)