Busca avançada
Ano de início
Entree

Influência de agentes e da matriz extracelular na geração de células persistentes em biofilmes e caracterização da matriz derivada das células persistentes

Processo: 19/18249-1
Linha de fomento:Auxílio à Pesquisa - Regular
Vigência: 01 de setembro de 2020 - 31 de agosto de 2022
Área do conhecimento:Ciências da Saúde - Odontologia
Pesquisador responsável:Marlise Inêz Klein Furlan
Beneficiário:Marlise Inêz Klein Furlan
Instituição-sede: Faculdade de Odontologia (FOAr). Universidade Estadual Paulista (UNESP). Campus de Araraquara. Araraquara , SP, Brasil
Assunto(s):Matriz extracelular  Microbiologia oral  Biofilmes  Streptococcus mutans 

Resumo

A cárie é um problema de saúde pública mundial decorrente da interação entre a dieta e os microrganismos no biofilme. A dieta rica em carboidratos fornece substratos para a produção de ácidos e da matriz extracelular do biofilme. Essa matriz é composta principalmente por exopolissacarídeos e mantém os ácidos retidos dentro do biofilme e na interface biofilme e superfície dentária, dificultando a neutralização pela saliva e levando à desmineralização das superfícies dentárias. Entre as estratégias para a prevenção está o uso de agentes bioativos que afetem a virulência e/ou a habilidade de microrganismos patogênicos desenvolverem biofilme (i.e., edificação e composição da matriz). Entretanto, pouco se sabe sobre como o uso de agentes antimicrobianos e antibiofilme na cavidade bucal está envolvido na tolerância e resistência microbiana e é desconhecido como esses princípios ativos atuam na geração de células persistentes (i.e., células que exibem tolerância a fármacos). A matriz é uma característica inerente aos biofilmes; porém, é desconhecido o papel dessas células na produção e na edificação da matriz (e vice-versa). Portanto, o estudo investigará como agentes e a matriz extracelular influenciam na geração de células persistentes em biofilmes e caracterizará a matriz derivada das células persistentes. Agentes serão usados para a gerar células persistentes que serão usadas para formar biofilmes, os quais serão caracterizados via quantificação da população microbiana e de componentes da matriz, estrutura tridimensional e expressão gênica. Após, será desenvolvida uma formulação com agentes que gerem menos células persistentes e matriz com menos exopolissacarídeos. A eficácia dessa formulação será determinada via avaliação da microbiota e da matriz de biofilmes microcosmos e da desmineralização de superfície de esmalte. (AU)