Busca avançada
Ano de início
Entree

Desenvolvimento de compósitos termoplásticos de PP reforçado com fibras de pet reciclado

Processo: 05/50915-9
Linha de fomento:Auxílio à Pesquisa - Pesquisa Inovativa em Pequenas Empresas - PIPE
Vigência: 01 de janeiro de 2008 - 31 de outubro de 2008
Área do conhecimento:Engenharias - Engenharia de Materiais e Metalúrgica - Materiais Não-metálicos
Pesquisador responsável:Cybele Lotti
Beneficiário:Cybele Lotti
Empresa:Global Pet Reciclagem Ltda. - EPP
Município: São Carlos
Bolsa(s) vinculada(s):06/52302-7 - Desenvolvimento de compósitos termoplásticos de PP reforçados com fibras de PET reciclado, BP.PIPE
Assunto(s):Materiais compósitos  Garrafas plásticas  Reciclagem de resíduos urbanos  Termoplásticos  Polipropilenos 

Resumo

O uso de compósitos de polímeros termoplásticos com fibras curtas tem se tomado mais comum em várias aplicações, devido à possibilidade de combinar a tenacidade do termoplástico com a rigidez e resistência das fibras reforçativas. As fibras de poli (tereftalato de etileno), PET, apresentam vantagem sob outras fibras no reforço da matriz de polipropileno (PP) devido ao elevado desempenho mecânico, baixo custo, capacidade de reciclagem, disponibilidade em formas bem definidas e sem a necessidade de tratamentos superficiais, além de baixa densidade. Essas características permitem gerar aplicações no setor automobilístico e no de eletro-eletrônicos que não requeiram módulos tão elevados, mas necessitem de leveza, boas resistências ao impacto e térmico, ductilidade e processabilidade. Além disso, a utilização de fibras de PET reciclado, grau garrafa, como reforço de matrizes termoplásticas de grande consumo, como o PP, é uma forma de agregar valor ao produto reciclado, gerando novas aplicações e, conseqüentemente, um maior incentivo à reciclagem. O objetivo deste trabalho é o desenvolvimento e a avaliação da viabilidade técnica de compostos de polipropileno reforçados com fibras de PET reciclado, visando aplicações nos setores automobilísticos e eletro-eletrônico, que possam substituir, por exemplo, os compostos de PP com fibra de vidro, talco e carbonato de cálcio desenvolvido para aplicações onde a rigidez não é preferencialmente requerida. Em função deste grande potencial de aplicação, a empresa Unnafibras S.A, fabricante das fibras de PET reciclado, mostrou interesse no desenvolvimento de compósitos com fibras de PET reciclado e na tecnologia a ser desenvolvida. A Electrolux do Brasil e a General Motors do Brasil demonstraram interesse no desenvolvimento deste novo compósito e estão avaliando internamente uma futura possibilidade de teste em algum de seus produtos. (AU)