Busca avançada
Ano de início
Entree

Caracterização do perfil epidemiológico e molecular de Staphylococcus aureus resistentes a oxacilina isolados de hemoculturas de pacientes admitidos no Hospital São Paulo

Processo: 07/00620-8
Linha de fomento:Auxílio à Pesquisa - Regular
Vigência: 01 de novembro de 2007 - 31 de outubro de 2009
Área do conhecimento:Ciências Biológicas - Microbiologia - Microbiologia Aplicada
Pesquisador responsável:Antonio Carlos Campos Pignatari
Beneficiário:Antonio Carlos Campos Pignatari
Instituição-sede: Escola Paulista de Medicina (EPM). Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP). Campus São Paulo. São Paulo , SP, Brasil
Assunto(s):Staphylococcus aureus resistente à Meticilina  Farmacorresistência bacteriana  Oxacilina  Hemocultura  Hospitais 

Resumo

Introdução e Justificativa: No Brasil, após a descrição em nossa instituição, em 1993, do clone epidêmico brasileiro (CEB) de S. aureus resistentes à oxacilina (ORSA ou MRSA), poucos estudos relataram dados sobre a persistência deste clone em hospitais, ou a presença de novas linhagens genéticas. Além disso, apenas um estudo no ano de 2005 relatou os diferentes tipos de SCCmec presentes nestes isolados. A identificação de SCCmec, contendo genes que codificam distintos perfis de sensibilidade, permitiria maiores opções nas condutas terapêuticas da prática clínica. Objetivos: Avaliar o perfil epidemiológico e identificar os diferentes tipos de elementos genéticos móveis (SCCmec) de isolados de MRSA coletados de hemoculturas de pacientes admitidos no Hospital São Paulo (HSP), no período de 2002 a 2005. Materiais e Métodos: Os isolados serão reidentificados e sua sensibilidade testada pela técnica de disco difusão e Etest®. Serão realizadas análises da similaridade genética entre as amostras pela técnica de PFGE e a determinação do tipo de SCCmec será realizada utilizando-se o método de PCR. Dados epidemiológicos serão coletados dos prontuários dos pacientes infectados por MRSA. Resultados preliminares: O método de PFGE revelou uma diversidade clonal significativa (seis perfis distintos), dentre 20 isolados analisados, sendo que cinco perfis foram diferentes do CEB. Foi demonstrada a existência de pelo menos três diferentes tipos de SCCmec (II, III, e IV). Quanto à epidemiologia, não detectou-se fatores de risco relacionados. Conclusões preliminares: Apenas 60% das amostras de MRSA testadas pertenciam ao CEB, contrastando com estudos anteriores e sugerindo uma mudança do perfil epidemiológico no HSP. A continuação deste estudo, utilizando um número maior de amostras, poderá confirmar a introdução ou emergência de novos clones, assim como a distribuição de diferentes tipos de SCCmec. (AU)