Busca avançada
Ano de início
Entree

Uso de diopsidito como corpo moedor para moinhos de bola - fase 2

Processo: 16/08594-5
Linha de fomento:Auxílio à Pesquisa - Pesquisa Inovativa em Pequenas Empresas - PIPE
Vigência: 01 de abril de 2017 - 31 de março de 2019
Área do conhecimento:Engenharias - Engenharia de Minas - Tratamento de Minérios
Pesquisador responsável:José Francisco Marciano Motta
Beneficiário:José Francisco Marciano Motta
Empresa:Minaplan Comércio e Serviços Ltda
Município: São Paulo
Vinculado ao auxílio:15/07486-1 - Uso de diopsidito como corpo moedor para moinhos de bola, AP.PIPE
Bolsa(s) vinculada(s):17/06915-1 - Uso de diopsidito como corpo moedor para moinhos de bola: fase 2, BP.PIPE
Assunto(s):Mineralogia  Materiais cerâmicos  Moagem  Moinhos  Diopsídio 

Resumo

Na indústria de cerâmica, onde são usadas matérias primas moídas (-200#) por moinhos de bola, utilizam-se seixos de "silex" e esferas de alumina como corpos moedores. As esferas de alumina são mais densas (3,4 a 3,6 g/cm3) e têm maior dureza (dureza Knoop de 10-18 GPa), proporcionando desempenho superior (maior produtividade e maior durabilidade), porém essas esferas têm alto custo e menor disponibilidade. Por outro lado, os seixos de "sílex" são menos densos (2,6 g/cm3) e de menor dureza (dureza Knoop 6-10 GPa), porém mais utilizados industrialmente em moinho de bola para moagem de matérias primas cerâmicas. No entanto, com a introdução do diopsidito moído como nova matéria prima para o setor de engobes, os seixos de sílex vem apresentando desempenho ainda pior e há problemas de abastecimento de esferas de alumina de diâmetro grande (x>44mm). Em alguns casos, há empresas que desistem da moagem do diopsídio, atividade que fica concentrada em poucas empresas. Essa dificuldade de moagem foi relacionada à densidade alta do diopsídio e à sua resistência ao desgaste. Tendo em vista que essas duas características são as mesmas buscadas para os corpos moedores, lançou-se a hipótese do diopsidito servir como um bom corpo moedor, ainda mais que a sua "contaminação" ao moer as matérias primas poderia ser um aditivo benéfico às massas cerâmicas. Neste contexto, propôs-se o projeto "Uso de diopsidito como corpo moedor para moinhos de bola" para a Fase 1 do Programa Pipe, o qual foi aprovado e está em seu sexto mês de execução. Como as hipóteses lançadas vem sendo corroboradas pelos resultados- alta produtividade do diopsidito na moagem de todas as matérias primas testadas, bem superior aos seixos de "silex" e próximo ao das esferas de alumina; resistência à abrasão média, próxima à do silex para algumas matérias primas; bom aditivo às massas cerâmicas; com disponibilidade de reservas; e resíduo zero na produção dos seixos- avaliou-se que o diopsidito tem alto potencial técnico para a confecção de corpos moedores para moinhos de bola, podendo substituir os seixos de "sílex" e mesmo as esferas de alumina em determinados segmentos. Dessa forma, julgou-se pertinente solicitar apoio da Fapesp para a Fase 2 do Programa PIPE, pois os estudos experimentais da Fase 1 ficaram restritos à escala de laboratório. O projeto ora proposto visa extrapolar a pesquisa, com ensaios de moagem de matérias primas em escala semi-industrial a industrial; estudar e equacionar o método de produção dos seixos, desde a mina até o produto; e melhor avaliar o uso do diopsidito em cerâmica e em outros setores industriais, tanto para mostrar os benefícios da "contaminação" na moagem, bem como ampliar o uso dessa matéria prima que será subproduto da produção de seixos de diopsidito. O método de trabalho prevê as seguintes etapas: Organização do Projeto; Pesquisa Bibliográfica; Preparação de Campo; Trabalhos de campo; Análises químicas e mineralogia; Ensaios Tecnológicos; Tratamento de Dados; e elaboração de Relatório Parcial e Final. O resultado esperado é a confirmação da possibilidade de um novo produto, um corpo moedor de diopsidito, que poderá propiciar um melhor custo benefício em relação aos corpos moedores tradicionais, na moagem industrial de diopsídio e de outras matérias primas cerâmicas no universo industrial do Estado de São Paulo, Brasil e, quiçá, para exportação. (AU)