Busca avançada
Ano de início
Entree

Avaliação funcional dos eosinófilos na anemia falciforme e o efeito do tratamento com hidroxiuréia

Processo: 08/07982-5
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Mestrado
Vigência (Início): 01 de março de 2009
Vigência (Término): 28 de fevereiro de 2011
Área do conhecimento:Ciências da Saúde - Medicina - Clínica Médica
Pesquisador responsável:Fernando Ferreira Costa
Beneficiário:Flávia Rubia Pallis
Instituição-sede: Centro de Hematologia e Hemoterapia (HEMOCENTRO). Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP). Campinas , SP, Brasil
Assunto(s):Quimiocinas   Anemia falciforme   Hematologia   Inflamação   Eosinófilos

Resumo

O estado homozigoto para hemoglobina S (HbS) é denominado anemia falciforme. O processo inflamatório tem papel importante no processo de vaso-oclusão nesta doença; leucócitos, citocinas pró-inflamatórias e moléculas de adesão estão aumentados no sangue periférico dos pacientes com anemia falciforme. A leucocitose está associada com a morbidade e mortalidade nestes pacientes. Além disso, os neutrófilos de pacientes com anemia falciforme apresentam aumento nas propriedades adesivas e quimiotáticas. No entanto, há poucas evidências sobre as possíveis alterações funcionais dos eosinófilos e na produção de mediadores derivados destas células. Os pulmões são particularmente vulneráveis aos eventos vaso-oclusivos na anemia falciforme e as complicações pulmonares são a principais causas de morte e a segunda causa mais comum de hospitalização em pacientes com esta doença. Os eosinófilos participam intensamente de processos inflamatórios das vias aéreas, são numericamente maiores e apresentam propriedades adesivas aumentadas na anemia falciforme. A hidroxiuréia (HU) é um agente quimioterápico utilizado no tratamento de pacientes com anemia falciforme por aumentar os níveis de Hb fetal, reduzindo a polimerização da HbS, a neutrofilia e algumas complicações associadas ao fenômeno vaso-oclusivo. Além disso, pacientes tratados com HU apresentam diminuição significativa na adesão a fibronectina e ICAM-1. Considerando a escassez de estudos que avaliaram a participação dos eosinófilos na fisiopatologia da anemia falciforme, este projeto visa comparar as propriedades adesivas, a capacidade quimiotática, a degranulação e a produção de mediadores em eosinófilos de pacientes com anemia falciforme. Além disso, investigaremos se o tratamento com HU interfere na adesão e na migração de eosinófilos e na liberação de mediadores inflamatórios nos pacientes com anemia falciforme.