Busca avançada
Ano de início
Entree

Efeitos da terapia com Bifidobacterium animalis subsp. lactis HN019 e Bdellovibrios bacteriovorus HD100 na periodontite experimental em ratos: estudo do perfil microbiológico, imunológico, histológico e genético da resposta do hospedeiro

Processo: 15/11835-1
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Programa Capacitação - Treinamento Técnico
Vigência (Início): 01 de julho de 2015
Vigência (Término): 29 de fevereiro de 2016
Área do conhecimento:Ciências da Saúde - Odontologia - Periodontia
Pesquisador responsável:Michel Reis Messora
Beneficiário:Pedro Henrique Felix Silva
Instituição-sede: Faculdade de Odontologia de Ribeirão Preto (FORP). Universidade de São Paulo (USP). Ribeirão Preto , SP, Brasil
Vinculado ao auxílio:13/25022-7 - Efeitos da terapia com Bifidobacterium animalis subsp. lactis HN019 e Bdellovibrios bacteriovorus HD100 na periodontite experimental em ratos: estudo do perfil microbiológico, imunológico, histológico e genético da resposta do hospedeiro, AP.R
Assunto(s):Periodontite   Probióticos   Bifidobacterium

Resumo

O propósito deste estudo será avaliar o efeito dos agentes probióticos Bifidobacterium nimalis subsp. lactis HN019 e Bdellovibrios bacteriovorus HD100 na periodontite induzida por ligadura em ratos. Serão utilizados 128 ratos divididos em 2 grupos: C (controle) e DP (doença periodontal). Cada um desses 2 grupos será subdividido em 8 subgrupos, de acordo com a terapia probiótica recebida (Subgrupo HN019 - Bifidobacterium animalis subsp. Lactis; Subgrupo HD100 - Bdellovibrios bacteriovorus e Subgrupo Associação - HN019 + HD100) e modo de administração (Tópico - T e Sistêmico - S). A DP será induzida por meio da colocação de ligaduras durante 14 dias nos primeiros molares inferiores de cada animal. Na administração sistêmica, as cepas probióticas serão adicionadas diariamente à água dos animais durante 28 dias. Na administração tópica, serão realizadas três aplicações orais das cepas probióticas. Todos os animais serão submetidos à eutanásia 28 dias após o início do experimento. Serão avaliados: I) microbiota bacteriana (checkerboard DNA-DNA hybridization e PCR; II) expressão de citocinas pró e anti-inflamatórias, peptídeos antimicrobianos, proteínas transmembrânicas, receptores de superfície celular e fatores de transcrição por meio de imunoensaios enzimáticos (ELISA e LuminexTM xMAP®), reações imunoistoquímicas (estreptavidina-biotina-peroxidase) e análise da expressão gênica (qRT-PCR); III) níveis de perda óssea alveolar e de inserção por meio de análise histomorfométrica; e IV) área, densidade mineral e volume ósseos (micro-CT). Os dados obtidos serão submetidos à análise estatística (p < 0,05). (AU)

Publicações científicas
(Referências obtidas automaticamente do Web of Science e do SciELO, por meio da informação sobre o financiamento pela FAPESP e o número do processo correspondente, incluída na publicação pelos autores)
SILVA, PEDRO H. F.; OLIVEIRA, LUIZ F. F.; CARDOSO, RENATA S.; RICOLDI, MILLA S. T.; FIGUEIREDO, LUCIENE C.; SALVADOR, SERGIO L.; PALIOTO, DANIELA B.; FURLANETO, FLAVIA A. C.; MESSORA, MICHEL R. The impact of predatory bacteria on experimental periodontitis. Journal of Periodontology, v. 90, n. 9, p. 1053-1063, SEP 2019. Citações Web of Science: 0.

Por favor, reporte erros na lista de publicações científicas escrevendo para: cdi@fapesp.br.