Busca avançada
Ano de início
Entree

Efeito do tratamento crônico com fluoxetina ou canabidiol sobre a comorbidade entre dor neuropática e a depressão em ratos: investigação dos mecanismos psicofarmacológicos do canabidiol

Processo: 17/07211-8
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Iniciação Científica
Vigência (Início): 01 de maio de 2017
Vigência (Término): 30 de abril de 2018
Área do conhecimento:Ciências da Saúde - Medicina - Psiquiatria
Pesquisador responsável:Renato Leonardo de Freitas
Beneficiário:Débora Thais Pereira Brito
Instituição-sede: Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto (FMRP). Universidade de São Paulo (USP). Ribeirão Preto , SP, Brasil
Vinculado ao auxílio:13/12916-0 - Participação dos circuitos endocanabinóides, glutamatérgicos e endovanilóides do córtex pré-frontal medial no modelo de dor neuropática e da investigação das comorbidades dor crônica e outras desordens neurológicas, AP.JP
Assunto(s):Dor crônica   Dor neuropática   Fluoxetina   Depressão   Canabidiol   Psicofarmacologia   Modelos animais

Resumo

HIPÓTESE: A dor neuropática é um dos principais problemas de saúde que pode afetar mais de 20 % dos adultos. A dor crônica é a maior causa de afastamento do trabalho, gerando assim um enorme ônus para a saúde pública. Desta forma, torna-se uma condição frequente, e também desafiadora, no que se diz respeito à origem e tratamento da dor crônica e das comorbidades neurológicas desencadeadas por esta patologia. Além disso, necessita-se de estudos que abordem as bases fisiopatológicas e psicofarmacológicas da comorbidade entre dor crônica e depressão, para o melhor entendimento e tratamento desta comorbidade. O Canabidiol (CBD), atualmente, vem sendo muito investigado para avaliar seus efeitos no tratamento de diversas patologias neurológicas, tais como epilepsia, Parkinson e esquizofrenia. Modelos animais também apontam eficácia do CBD em atenuar comportamentos relacionados a ansiedade e pânico. Sendo assim, avaliaremos o efeito do CBD e compararemos com efeito de um antidepressivo clássico, a fluoxetina, em modelos animais relacionados a depressão e dor neuropática. INVESTIGAÇÃO 1: Será realizado o estudo do efeito do tratamento crônico por via intraperitoneal de DMSO 10% ou CBD nas doses de 10, 30 ou 60 mg/kg em animais com dor neuropática induzida pela constrição crônica (CCI) do nervo isquiático. Animais neuropáticos serão avaliados no teste de nado forçado e no teste de preferência pela sacarose (a 1%), ambos relacionados a depressão. Imediatamente após, a alodinia mecânica e a hipersensibilidade ao frio serão estudadas através do teste de von Frey e de acetona, respectivamente. Elas serão aferidas 21 dias após a CCI ou do procedimento Sham ("falso operado"). O tratamento crônico (21 dias) com CBD será iniciado no mesmo dia da CCI ou sham ou 21 dias após a realização da cirurgia mencionada para avaliar a influência destes tratamentos na gênese e na manutenção/agravamento desta comorbidade entre dor crônica e depressão, em um modelo experimental com roedores. INVESTIGAÇÃO 2: Para validar farmacologicamente e comparar o efeito do antidepressivo fluoxetina com o CBD, será realizada tratamento crônico com a fluoxetina a 20mg/kg, e então, avaliaremos as respostas relacionadas a depressão no teste de nado forçado e no teste de preferência pela sacarose (a 1%) em animais com dor neuropática. O tratamento crônico (21 dias) com fluoxetina será iniciado no mesmo dia da CCI ou sham ou 21 dias após a realização da cirurgia mencionada. INVESTIGAÇÃO 3: O próximo passo será investigar os mecanismos farmacológicos que possivelmente estão associados aos efeitos do CBD sobre modelos animais relacionados a depressão (teste de nado forçado e preferência pela sacarose) em animais com dor neuropática. Para isso, no dia do teste de nado forçado ou de preferência pela sacarose, será realizado o pré-tratamento dos animais com o WAY-100635, um antagonista de receptores serotoninérgicos do tipo 5-HT1A, para avaliarmos os efeitos do CBD nos animais com dor neuropática e submetidos aos testes relacionados a depressão dependem da ativação deste tipo de receptor serotoninérgico. (AU)