Busca avançada
Ano de início
Entree

Desenvolvimento do sistema imageador do experimento protoMIRAX e determinação de parâmetros dinâmicos do candidato a buraco negro 1E1740.7-2942 através da linha K alfa do ferro

Processo: 17/13551-6
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Doutorado
Vigência (Início): 01 de abril de 2018
Vigência (Término): 29 de fevereiro de 2020
Área do conhecimento:Ciências Exatas e da Terra - Astronomia - Instrumentação Astronômica
Pesquisador responsável:João Braga
Beneficiário:Paulo Eduardo Freire Stecchini
Instituição-sede: Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE). Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações (Brasil). São José dos Campos , SP, Brasil
Vinculado ao auxílio:13/26258-4 - Matéria superdensa no universo, AP.TEM
Assunto(s):Astrofísica de altas energias   Buracos negros   Sistema binário (astronomia)   Raios X

Resumo

A pesquisa de doutorado será dividida em uma vertente experimental e uma observacional. O trabalho experimental se concentrará no desenvolvimento do experimento espacial MIRAX (Monitor e Imageador de Raios X) e na finalização e lançamento de um protótipo, o protoMIRAX, a altitudes de balão (~42 km), para testar os detectores e outros subsistemas em ambiente quase-espacial. Pretende-se montar, calibrar e caracterizar os detectores que compõem o plano detector do experimento, constituídos de um material composto semicondutor, CdZnTe (CZT), e desenvolver software para adquirir e analisar os dados de observações de diversas fontes astrofísicas de raios X, principalmente de sistemas binários galácticos nos quais a componente primária é um buraco negro. A vertente observacional consistirá na análise espectral do candidato a buraco negro 1E 1740.7-2942, utilizando observações disponíveis em bancos de dados públicos de missões espaciais de raios X, com o objetivo de estudar a presença de uma linha K α do ferro (~6,4 keV). Acredita-se que medidas da distorção relativística dessa linha possam colaborar na determinação de parâmetros geométricos do sistema (e.g., spin, raio interno do disco), assim como no entendimento dos processos responsáveis pela emissão em raios X pelo material associado ao fluxo de acreção nesses sistemas. Além disso, modelos indicam que as massas desses sistemas binários - ainda desconhecidas para 1E 1740.7-2942 devido à ausência de informações a respeito da companheira binária - podem ser inferidas a partir da medida de rotação do buraco negro. (AU)