Busca avançada
Ano de início
Entree

Desenvolvimento de missões com o uso de cube e nanosats

Processo: 18/13048-5
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Pesquisa Inovativa em Pequenas Empresas - PIPE  
Vigência (Início): 01 de julho de 2018
Vigência (Término): 30 de junho de 2020
Área do conhecimento:Engenharias - Engenharia Aeroespacial - Sistemas Aeroespaciais
Pesquisador responsável:Gilberto Rigobello
Beneficiário:Gilberto Rigobello
Empresa:Cron Sistemas e Tecnologias Ltda. - EPP
CNAE: Transporte espacial
Pesquisa e desenvolvimento experimental em ciências físicas e naturais
Atividades profissionais, científicas e técnicas não especificadas anteriormente
Vinculado ao auxílio:17/09800-0 - Desenvolvimento de missões com o uso de cube e nanosats, AP.PIPE
Assunto(s):Desenvolvimento industrial   Voo (engenharia de aeronaves)   Satélites artificiais   Miniaturas   Exploração espacial   Desenvolvimento de software   Qualidade de software   Tecnologia de baixo custo   Transferência de tecnologia

Resumo

O bolsista será responsável pelo acompanhamento do desenvolvimento junto às empresas que o farão no Brasil, para aqueles subsistemas definidos para a fase 2, a saber: subsistema de potência, estrutura e subsistema de determinação e controle de atitude. Determinará a aplicação do padrão cubesat para estas fabricações e os requisitos e especificações da missão. Orientará estas empresas quanto às necessidades de garantia de qualidade e confiabilidade considerando-se os objetivos de baixo custo para o produto e seu potencial para futura oferta "de prateleira" para o mercado nacional e internacional de cubesats. Da mesma forma o bolsista será o responsável pelo acompanhamento do desenvolvimento do software de bordo, tanto para o gerenciamento de dados quanto para a determinação e controle de atitude, e sua aderência com a missão científica. Da mesma forma, o bolsista será responsável pela garantia de qualidade deste software e aceitação e testes, observando os objetivos de baixo custo do produto final para competitividade futura no mercado internacional. Atuará também, junto com outro pesquisador principal, no desenvolvimento do software de solo e sua integração no emulador da estação terrena. Atuará junto aos fornecedores dos subsistemas importados (computador de bordo e transceptor), no sentido de possíveis transferências de tecnologia, notadamente no caso do transceptor e uma possível interface com o protocolo FEC, um dos experimentos do projeto. Esta atividade será mais relevante, caso o fornecedor do transceptor seja a empresa com quem a precessora da CRON, e sua parceira comercial, mantém um acordo de cooperação tecnológica, que está em processo de ser transferido para a CRON. (AU)