Busca avançada
Ano de início
Entree

Efeito do tratamento farmacológico com o peptídeo mimético da Anexina A1 na ototoxicidade induzida pela cisplatina em ratos Wistar

Processo: 18/08764-3
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Iniciação Científica
Vigência (Início): 01 de outubro de 2018
Vigência (Término): 31 de dezembro de 2019
Área do conhecimento:Ciências Biológicas - Morfologia - Histologia
Pesquisador responsável:Cristiane Damas Gil
Beneficiário:Letícia da Silva Sena
Instituição-sede: Escola Paulista de Medicina (EPM). Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP). Campus São Paulo. São Paulo , SP, Brasil
Assunto(s):Perda auditiva   Inflamação   Cóclea   Cisplatino   Ototoxicidade   Anexina A1   Peptídeos   Tratamento farmacológico   Ratos Wistar

Resumo

A cisplatina é um agente antineoplásico amplamente utilizado e relacionada com a perda auditiva bilateral e irreversível em pacientes. A geração das espécies reativas de oxigênio (ROS) pela cisplatina induz inflamação coclear e a apoptose de células na cóclea. Assim, estratégias terapêuticas que visam reduzir a disfunção auditiva por meio da prevenção da inflamação têm sido estudadas. Nesse contexto, destacamos a anexina A1 (ANXA1), proteína de 37 kDa que é capaz de mimetizar a ação anti-inflamatória dos glicocorticoides por meio da inibição da síntese de eicosanoides e fosfolipase A2, afetando componentes da reação inflamatória e liberação do ácido araquidônico. Além disso, a ação regulatória da ANXA1 e de seus peptídeos miméticos sobre a migração transendotelial leucocitária, é mediada pelo receptor para peptídeos formilados tipo 2 (Fpr2), receptor transmembrana acoplado a proteína G. Nesse estudo, avaliaremos o efeito do tratamento farmacológico com o peptídeo mimétido da ANXA1, Ac2-26, na ototoxicidade induzida pela cisplatina em ratos Wistar. Os animais serão divididos em três grupos (n = 6 animais): Grupo A - receberá via intraperitoneal três doses de cisplatina (8 mg/kg) por dia, totalizando um tratamento de 24 mg/kg em 3 dias; Grupo B - receberá tratamento farmacológico intraperitoneal com 1 mg/kg do Ac2-26, 15 minutos antes da administração da cisplatina (3 dias); Grupo C - SHAM (controle), receberá apenas veículo (salina estéril). Os ratos serão submetidos ao teste de emissões otoacústicas - produto de distorção (EOAPD) antes e após os tratamentos, e as possíveis mudanças na amplitude e relação sinal ruído nas frequências de 2, 4, 6 e 8 kHz serão analisadas. Após 6 horas da última dose de cisplatina ou veículo, os animais serão submetidos a eutanásia para as seguintes análises: I) histológica da orelha interna; II) expressão da ANXA1, do Fpr2, da caspase-3 e da quinase regulada por sinal extracelular (ERK) na orelha interna por imuno-histoquímica. Os resultados contribuirão para o conhecimento dos mecanismos celulares e moleculares que envolvem as ações biológicas da ANXA1 na perda auditiva, assim como possíveis alvos terapêuticos para os processos inflamatórios da orelha interna.

Matéria(s) publicada(s) na Agência FAPESP sobre a bolsa:
Matéria(s) publicada(s) em Outras Mídias (0 total):
Mais itensMenos itens
VEICULO: TITULO (DATA)
VEICULO: TITULO (DATA)