Busca avançada
Ano de início
Entree

Investigando a origem de supernovas do Tipo Ia com o código BSE

Processo: 18/23562-8
Linha de fomento:Bolsas no Exterior - Estágio de Pesquisa - Pós-Doutorado
Vigência (Início): 01 de março de 2019
Vigência (Término): 29 de fevereiro de 2020
Área do conhecimento:Ciências Exatas e da Terra - Astronomia - Astrofísica Estelar
Pesquisador responsável:Cláudia Vilega Rodrigues
Beneficiário:Diogo Teixeira Belloni
Supervisor no Exterior: Matthias R. Schreiber
Instituição-sede: Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE). Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações (Brasil). São José dos Campos , SP, Brasil
Local de pesquisa : Universidad de Valparaíso (UV), Chile  
Vinculado à bolsa:17/14289-3 - Variáveis cataclísmicas magnéticas: evolução secular com o código BSE e modelagem de emissão com o código CYCLOPS, BP.PD
Assunto(s):Anãs brancas   Supernovas   Energia escura

Resumo

O objetivo deste projeto é investigar os progenitores de supernovas do tipo Ia (SN Ia), que representam um passo importante, talvez o mais importante, na escada de distância extragaláctica, e levaram a descobertas inovadoras como a energia escura. Apesar de sua importância excepcional, ainda encontramos problemas para entender os detalhes dos caminhos evolutivos que produzem SN Ia. Este é um problema sério, pois é atualmente desconhecido se a existência de múltiplos canais de formação poderia até mesmo resultar em um limite sistemático no uso de SN Ia como sondas cosmológicas. É claro que os progenitores de SN Ia são binários contendo pelo menos uma anã branca (WD). Os dois principais canais que foram propostos são o canal degenerado único, no qual a WD acreta a partir de um companheiro não degenerado, e o canal de dupla degenerada, que explica as explosões SN Ia como a fusão de duas WDs. No entanto, se a natureza tem uma forte preferência por um desses canais, ou se uma combinação de vários canais evolutivos contribui para a taxa observada de SN Ia, permanece uma questão em aberto. A fim de contribuir para o progresso no entendimento dos progenitores de SN Ia, propomos investigar o canal de dupla degenerada com o código BSE. O código BSE é um conjunto de algoritmos que descrevem a evolução de estrelas e binárias e permite modelagem rápida e precisa de síntese de populações. Pretendemos implementar receitas atualizadas para a formação/evolução de binárias contendo WDs, que serão então usadas para estimar as propriedades dos progenitores de SN Ia, bem como as taxas de SN Ia em galáxias. Essas previsões serão confrontadas com observações que estão sendo realizadas atualmente por membros do grupo de binárias em Valparaíso. Combinando modelos teóricos atualizados com novos vínculos observacionais, esperamos obter resultados de alto impacto no campo de formação/evolução de binárias contendo WDs, que contribuirão significativamente para a solução do problema relacionado aos progenitores de SN Ia. (AU)

Publicações científicas
(Referências obtidas automaticamente do Web of Science e do SciELO, por meio da informação sobre o financiamento pela FAPESP e o número do processo correspondente, incluída na publicação pelos autores)
BELLONI, DIOGO; SCHREIBER, MATTHIAS R. Are white dwarf magnetic fields in close binaries generated during common-envelope evolution?. Monthly Notices of the Royal Astronomical Society, v. 492, n. 1, p. 1523-1529, FEB 2020. Citações Web of Science: 0.
BELLONI, DIOGO; SCHREIBER, MATTHIAS R.; PALA, ANNA F.; GANSICKE, BORIS T.; ZOROTOVIC, MONICA; RODRIGUES, V, CLAUDIA. Evidence for reduced magnetic braking in polars from binary population models. Monthly Notices of the Royal Astronomical Society, v. 491, n. 4, p. 5717-5731, FEB 2020. Citações Web of Science: 1.
OLIVEIRA, ALEXANDRE S.; RODRIGUES, CLAUDIA V.; PALHARES, MATHEUS S.; DIAZ, MARCOS P.; BELLONI, DIOGO; SILVA, KARLEYNE M. G. Optical observations and CYCLOPS post-shock region modelling of the polar V348 Pav. Monthly Notices of the Royal Astronomical Society, v. 489, n. 3, p. 4032-4042, NOV 2019. Citações Web of Science: 0.

Por favor, reporte erros na lista de publicações científicas escrevendo para: cdi@fapesp.br.