Busca avançada
Ano de início
Entree

Influência do cimento ósseo a base de silicato de cálcio incorporado com nanotubos de carbono (CNT) no reparo ósseo in vivo

Processo: 20/07092-1
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Iniciação Científica
Vigência (Início): 01 de setembro de 2020
Vigência (Término): 31 de agosto de 2021
Área do conhecimento:Ciências da Saúde - Odontologia
Pesquisador responsável:Luana Marotta Reis de Vasconcellos
Beneficiário:Leonardo Alvares Sobral Silva
Instituição-sede: Instituto de Ciência e Tecnologia (ICT). Universidade Estadual Paulista (UNESP). Campus de São José dos Campos. São José dos Campos , SP, Brasil
Assunto(s):Nanotecnologia   Reparo ósseo   Cimentos para ossos   Nanotubos de carbono   Silicatos   Citotoxicidade   Histologia   Histomorfometria   In vivo

Resumo

Atualmente há dois materiais comumente utilizados para reparo ósseo, o TCP (fosfato tricálcico) e o biovidro. Embora o biovidro apresente propriedades biológicas superiores ao TCP, não é possível fazer um cimento apenas com biovidro, por isso o TCP ainda é o material mais usando para esse fim. Uma alternativa ao TCP é o cimento de silicato de cálcio (CaSiO3), uma vez que ele consegue combinar a capacidade do TCP de formar cimento com a bioatividade do biovidro, sendo a wollastonita precursora do cimento devido a sua biocompatibilidade superior à dos cimentos a base de fosfato e da sua alta reatividade com a solução ativadora. No intuito de melhorar as propriedades, diferentes métodos de reforço têm sido estudados e há um grande destaque na utilização de nanotubos de carbono (CNT), devido às suas excelentes propriedades mecânicas, térmicas, estruturais e elétricas. Partindo desse pressuposto, o objetivo neste presente estudo será avaliar a citotoxicidade e as propriedades biológicas do cimento ósseo a base de silicato de cálcio incorporado com CNT, na regeneração óssea em defeitos críticos em tíbias de ratos. Amostras serão produzidas utilizando o cimento de CaSiO3, na fase ±-wollastonita, associado com solução ativadora tampão (pHH7) composta por amônia e cátions. Inicialmente, os grupos a) SiCa; b) SiCa+0,2%CNT; c) SiCa+0,5%CNT serão avaliados quanto a citotoxicidade após 3 e 10 dias por meio do teste de MTT. Posteriormente serão utilizados neste estudo vinte e quatro ratos adultos machos. Inicialmente serão realizadas perfurações de 3 mm de diâmetro, confeccionando defeitos críticos nas tíbias direita e esquerda. Os defeitos ósseos serão divididos em 3 grupos de acordo com o preenchimento: a) SiCa; b) SiCa+0,2%CNT; c) SiCa+0,5%CNT, além do grupo coágulo que será o controle. Ambos os defeitos serão preenchidos com o mesmo material e após 03 semanas da cirurgia os animais serão eutanasiados. As tíbias direitas serão submetidas ao teste de flexão de três pontos e as esquerdas as análises histológicas e histomorfometrica para verificar a resistência e a melhor via de desenvolvimento da regeneração óssea a partir da influência do biomaterial. Os dados serão estatisticamente analisados, inicialmente por meio do teste de normalidade visando a aplicação do teste estatístico adequado. O nível de significância adotado será o valor convencional de 5%.