Busca avançada
Ano de início
Entree

Manufatura de polimerossomos com permeabilidade seletiva para utilização como nanoreatores para biocatálise

Processo: 22/14668-2
Modalidade de apoio:Bolsas no Brasil - Pós-Doutorado
Vigência (Início): 01 de março de 2023
Vigência (Término): 28 de fevereiro de 2025
Área do conhecimento:Ciências Exatas e da Terra - Química - Físico-química
Pesquisador responsável:Fernando Carlos Giacomelli
Beneficiário:Anabella Patricia Rosso
Instituição Sede: Centro de Ciências Naturais e Humanas (CCNH). Universidade Federal do ABC (UFABC). Ministério da Educação (Brasil). Santo André , SP, Brasil
Vinculado ao auxílio:21/12071-6 - Arquitetando coloides via interações supramoleculares: de fundamentos a aplicações, AP.TEM
Assunto(s):Permeabilidade   Polimerossomos   Técnica de automontagem   Reatores   Biocatálise   Coloides   Copolímeros em bloco
Palavra(s)-Chave do Pesquisador:Block copolymers | permeability | polymer colloids | polymersomes | scattering | self-assembly | Coloides e Interfaces

Resumo

Nesta subproposta pretende-se fabricar nanoreatores baseados em vesículas poliméricas de permeabilidade seletiva para aplicações no campo da biotecnologia. A abordagem experimental vislumbra o confinamento de enzimas dentro de vesículas poliméricas para serem utilizadas em reações bioquímicas. Deseja-se construir sistemas com membranas semipermeáveis que permitam a passagem apenas de pequenas moléculas (substratos e produtos), enquanto que as biomacromoléculas permanecem confinadas. As vesículas poliméricas (polimerossomos) serão produzidas através da auto-associação de uma biblioteca de copolímeros em bloco anfifílicos. A permeabilidade das membranas é a princípio governada pela espessura da fração hidrofóbica, natureza química do polímero, temperatura de transição vítrea do material, e adicionalmente, pode também ser ajustada utilizando-se polímeros que respondam a estímulos externos, tais como o pH e a temperatura. Velocidades de difusão mais elevadas e mais lentas de pequenas moléculas podem ser obtidas a princípio alterando-se o grau de protonação das membranas hidrofóbicas através de pequenas variações no pH do ambiente próximo ao pKa do polímero. Da mesma forma, espera-se que o controle sobre a permeabilidade da membrana ocorra alterando-se a hidratação da membrana usando-se sistemas termo-responsivos. (AU)

Matéria(s) publicada(s) na Agência FAPESP sobre a bolsa:
Matéria(s) publicada(s) em Outras Mídias (0 total):
Mais itensMenos itens
VEICULO: TITULO (DATA)
VEICULO: TITULO (DATA)