Busca avançada
Ano de início
Entree

Influência dos hormônios tiroideanos nos componentes do sistema renina angiotensina "in vitro", utilizando cultura primária de células musculares lisas vasculares como modelo experimental

Processo: 04/11785-0
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Mestrado
Vigência (Início): 01 de março de 2005
Vigência (Término): 31 de julho de 2006
Área do conhecimento:Ciências Biológicas - Fisiologia - Fisiologia de Órgãos e Sistemas
Pesquisador responsável:Maria Luiza de Morais Barreto de Chaves
Beneficiário:Maria Alicia Carrillo Sepulveda
Instituição-sede: Instituto de Ciências Biomédicas (ICB). Universidade de São Paulo (USP). São Paulo , SP, Brasil
Assunto(s):Expressão gênica   Reação em cadeia da polimerase via transcriptase reversa (RT-PCR)

Resumo

As relações entre os hormônios tiroideanos e o Sistema Renina Angiotensina Tecidual vêm respondendo a uma série de questões a respeito dos distúrbios cardiovasculares frente ao estado de Hipo e Hipertiroidismo, É sabido que o excesso de triiodotironina (T3) leva à diminuição da Resistência Vascular Sistêmica (RVS), enquanto que baixos níveis de T3 causam aumento da RVS. Concomitantemente já foi demonstrado que o T3 causa diretamente relaxamento das Células Musculares Lisas Vasculares (CMLV), sem que os genes-alvo ou mecanismos moleculares tenham sido já definidos. A resistência vascular é determinada primeiramente pelo estado contrátil da CMLV do leito arterial. Por outro lado, o SRA Tecidual tem como hormônio efetor a Angiotensina II, que ao se ligar ao receptor AT1 de CMLV causa vasoconstricção. Considerando esses dois sistemas causando, com seus respectivos hormônios efetores efeitos opostos sobre as CMLV, dados da literatura e resultados anteriores do laboratório nos quais mostramos uma estreita associação entre a ação do T3 e alterações no tecido cardíaco, o propósito deste projeto é avaliar, "in vitro" o papel do T3 na modulação do SRA tecidual vascular através da expressão gênica dos componentes do SRA das CMLV submetidas a tratamento com T3, utilizando-se cultura primária de CMLV, modelo este que possibilita estudar isoladamente o SRA do Sistema Nervoso Simpático, e métodos bioquímicos aliados a modernas técnicas de biologia molecular. (AU)