Busca avançada
Ano de início
Entree


Inovação e território: análise dos fatores locacionais que afetam a inovação no Brasil.

Texto completo
Autor(es):
Suelene Mascarini de Souza Romero
Número total de Autores: 1
Tipo de documento: Tese de Doutorado
Imprenta: São Paulo.
Instituição: Universidade de São Paulo (USP). Escola Politécnica
Data de defesa:
Membros da banca:
Renato de Castro Garcia; André Luis Squarize Chagas; Eduardo Gonçalves; Roberta de Castro Souza Piao; Janaina Ruffoni Trez
Orientador: Renato de Castro Garcia
Resumo

O objetivo deste trabalho é avaliar como fatores territoriais influenciam a capacidade de inovação das empresas brasileiras. Em especial, analisa-se como os transbordamentos de conhecimentos, a aglomeração urbana e econômica, o capital humano e a estrutura produtiva local afetam o grau de novidade da inovação que é introduzida pelas empresas no Brasil. Diferencia-se o grau de novidade da inovação por empresas que não geraram inovações, empresas que introduziram inovações para a firma, para o mercado nacional e para o mundo. A discussão sobre o território e a inovação até a década de 90 esteve bastante concentrada nos países desenvolvidos. Entretanto, nas últimas décadas atenção também tem sido dada a países em desenvolvimento. No Brasil, os estudos sobre o tema têm sido direcionados a compreender como as atividades inovativas estão distribuídas nas regiões, sua heterogeneidade e quais fatores podem influenciar essa distribuição. No entanto, estudos que relacionem diretamente a inovação no nível da firma e a geografia ainda são escassos. É essa lacuna que o presente trabalho procura preencher, ao observar diretamente o efeito dos fatores sobre o grau de novidade da inovação que as empresas brasileiras introduzem, utilizando os microdados da PINTEC. Para isso, foi realizada a estimação de um modelo econométrico, baseado na Função de Produção do Conhecimento que permitiu avaliar a relação entre o grau de novidade da inovação e fatores selecionados em dois níveis, o da firma e o do território. Os resultados mostram que os fatores territoriais geram diferenciais inovativos as empresas, mesmo em países em desenvolvimento, como o Brasil, em que a maior parte da inovação gerada é nova para a firma. Em particular, a aglomeração econômica e o capital humano local apresentam um papel importante para se chegar à inovação de mais alto grau de novidade, como para o mundo. Ou seja, empresas localizadas em regiões mais aglomeradas economicamente e com maior participação da mão de obra empregada qualificada tendem a introduzir inovações com mais alto grau de novidade, especialmente inovações para o mercado nacional. Ao mesmo tempo, variáveis no nível da firma, como os gastos em atividades de inovação, o tamanho da firma e a sua produtividade, impactam positivamente a capacidade de inovação das empresas. Além disso, firmas que colaboram com outros agentes ou possuem capital estrangeiro tendem a introduzir inovações com mais ato grau de novidade. Por fim, o grau de novidade da inovação das empresas que recebem financiamento público como fonte de dispêndios inovativos tende a ser mais alto do que de empresas que não recebem financiamento público. (AU)

Processo FAPESP: 13/21348-5 - Inovação e território: análise dos fatores que afetam a inovação no Brasil
Beneficiário:Suelene Mascarini de Souza Romero
Linha de fomento: Bolsas no Brasil - Doutorado