Busca avançada
Ano de início
Entree


Processamento auditivo em crianças ouvintes filhas de surdos sinalizadores: um estudo caso-controle

Texto completo
Autor(es):
Thaís Regina Monteiro
Número total de Autores: 1
Tipo de documento: Dissertação de Mestrado
Imprenta: São Paulo.
Instituição: Universidade de São Paulo (USP). Faculdade de Medicina (FM/SBD)
Data de defesa:
Membros da banca:
Eliane Schochat; Caroline Nunes Rocha Muniz; Liliane Desgualdo Pereira
Orientador: Eliane Schochat
Resumo

INTRODUÇÃO: O desenvolvimento das habilidades auditivas sofre influência dos estímulos sonoros aos quais as crianças são expostas. Filhos ouvintes de pais surdos (CODAs - Children of Deaf Adults) geralmente não recebem os estímulos de fala da mesma forma que crianças filhas de ouvintes. Tendo em vista que as informações sonoras são importantes para o processo maturacional do sistema auditivo, torna-se pertinente a análise das habilidades auditivas de CODAs que foram pouco expostas à linguagem oral na primeira infância. OBJETIVO: Comparar o processamento auditivo de crianças filhas de surdos, que foram pouco expostas à língua oral no início de suas vidas, com o de crianças filhas de ouvintes. MÉTODO: Participaram deste estudo 60 crianças, na faixa etária entre 5 e 10 anos de idade, com avaliação audiológica básica (audiometria, logoaudiometria e imitanciometria) dentro dos limites de normalidade, destras, sem histórico de doenças sistêmicas e/ou neurológicas que pudessem afetar o sistema nervoso central e sem aprendizado prévio de música ou de segunda língua oral. Foram formados dois grupos semelhantes quanto a idade e sexo, sendo o Grupo Estudo (GE) composto por 30 crianças filhas de surdos sinalizadores, e o Grupo Controle (GC), por 30 crianças filhas de ouvintes. Os testes selecionados foram: Pediatric Speech Intelligibility em português, Dicótico de Dígitos, Padrão de Frequência, Gaps-In-Noise e também testes de Memória para Sons Instrumentais e Verbais. RESULTADOS: Houve diferença estatisticamente significante de desempenho entre os dois grupos, em todos os testes aplicados, com pior desempenho para o GE. Na análise de desempenho dos grupos por faixa etária, foi possível observar que a média de desempenho do GE ficou abaixo da apresentada pelo GC em todos os testes e em todas as idades avaliadas, sendo a diferença de desempenho entre os grupos maior em faixas etárias menores (5 e 6 anos). CONCLUSÕES: Pode-se concluir que a pouca exposição a estímulos linguísticos orais no início da infância, associada a fatores específicos da vivência de grande parte dos CODAs estudados, contribuiu para o baixo desempenho do GE nos testes. Assim, esses resultados indicam que estímulos sonoros ambientais, sobretudo os de linguagem oral, exercem importante influência no desenvolvimento das habilidades auditivas. Este estudo chama a atenção para a importância do acompanhamento auditivo de filhos ouvintes de pais surdos, assim como para a necessidade de exposição destas crianças aos sons linguísticos orais desde o início de suas vidas (AU)

Processo FAPESP: 15/01451-1 - Potencial Evocado Auditivo de Longa Latência (P300) em indivíduos com transtorno bipolar: um estudo caso-controle; comparação com avaliação comportamental do processamento auditivo central
Beneficiário:Thaís Regina Monteiro
Modalidade de apoio: Bolsas no Brasil - Mestrado