Busca avançada
Ano de início
Entree


Efeito da terapia vocal associada ao biofeedback eletromiográfico em mulheres com disfonia comportamental: ensaio clínico randomizado, controlado e cego

Texto completo
Autor(es):
Vanessa Veis Ribeiro
Número total de Autores: 1
Tipo de documento: Tese de Doutorado
Imprenta: Bauru.
Instituição: Universidade de São Paulo (USP). Faculdade de Odontologia de Bauru
Data de defesa:
Membros da banca:
Alcione Ghedini Brasolotto; Heitor Marques Honório; Lucia Figueiredo Mourão; Michelle Shevon Troche
Orientador: Kelly Cristina Alves Silverio
Resumo

Introdução: as disfonias podem acometer o nível respiratório, glótico e ressonantal/articulatório, limitar a eficiência da comunicação e gerar prejuízos na qualidade de vida. Quando a etiologia da disfonia está relacionada ao uso vocal incorreto, elas são classificadas como comportamentais. Apesar da literatura mostrar a efetividade de alguns métodos e programas de reabilitação vocal, poucos exploram a autopercepção corporal e a participação da musculatura corporal no quadro da disfonia. A fim de melhorar essas questões, a literatura propôs o biofeedback eletromiográfico. Estudos que analisaram esse método são antigos e apresentam heterogeneidade metodológica, o que dificulta sua reprodução. Dessa forma, é necessário analisar o efeito do método por meio de um ensaio clínico para se obter evidências científicas sobre a intervenção para respaldar a prática clínica baseada em evidências. Objetivo: analisar a efetividade e a duração dos efeitos da terapia vocal associada ao biofeedback eletromiográfico em mulheres com disfonia comportamental. Delineamento do estudo: ensaio clínico, randomizado, controlado e cego. Método: participaram do estudo 22 mulheres (idades entre 18 e 45 anos) com diagnóstico de disfonia comportamental, alocadas de forma randomizada em dois grupos: Grupo Experimental (GE) 11 mulheres que realizaram terapia vocal associada a aplicação do biofeedback eletromiográfico nos músculos esternocleidomastoideo e supra-hioideos; Grupo Placebo (GP) 11 mulheres que realizaram terapia vocal associada a aplicação do biofeedback eletromiográfico placebo. Ambos os grupos realizaram 8 sessões de terapia, duas vezes por semana, com duração de 30 minutos. A terapia vocal de ambos os grupos foi composta por exercícios de trato vocal semiocluído (vibração, humming e fricativo). As avaliações foram realizadas em três momentos: antes, imediatamente após, depois de um e três meses da intervenção fonoaudiológica, e constaram de: avaliação vocal (perceptivo-auditiva e acústica), avaliação eletromiográfica de superfície, autoavaliação vocal, de sintomas vocais e laríngeos, da dor musculoesquelética e da qualidade de vida em voz. Os dados foram analisados estatisticamente, comparando-se os grupos e os momentos de avaliação (p0,05). Resultados: A terapia vocal proposta promoveu resultados positivos na qualidade vocal, nos sintomas vocais, na qualidade de vida relacionada à voz e na atividade elétrica muscular durante o repouso em mulheres com disfonia comportamental, com ênfase nos aspectos fonatórios e comportamento vocal em nível glótico. Já o biofeedback eletromiográfico promoveu resultados positivos na atividade elétrica muscular durante as tarefas fonatórias e na dor musculoesquelética em mulheres com disfonia comportamental, com base nos aspectos comportamentais e musculares da região extrínseca da laringe, cintura escapular e cervical. Conclusão: Conclui-se que a terapia vocal associada ao biofeedback eletromiográfico tem efetividade equivalente e efeitos que se mantém pelo mesmo tempo na laringe, na voz e na autopercepção de sintomas e da qualidade de vida em voz, e é mais efetiva e tem efeitos que se mantêm por mais tempo na atividade elétrica muscular e na autopercepção da dor musculoesquelética de mulheres com disfonia comportamental do que a terapia vocal realizada de forma tradicional. (AU)

Processo FAPESP: 15/06918-5 - Efeito do biofeedback eletromiográfico associado a terapia vocal na laringe, na voz e na atividade elétrica muscular de mulheres disfônicas: ensaio clínico, controlado, randomizado e em duplo-cego
Beneficiário:Vanessa Veis Ribeiro
Linha de fomento: Bolsas no Brasil - Doutorado