Busca avançada
Ano de início
Entree


Sistemática de Eugenia (Myrtaceae, Myrteae): evolução da flor e da inflorescência e implicações taxonômicas

Texto completo
Autor(es):
Augusto Giaretta de Oliveira
Número total de Autores: 1
Tipo de documento: Tese de Doutorado
Imprenta: São Paulo.
Instituição: Universidade de São Paulo (USP). Instituto de Biociências
Data de defesa:
Membros da banca:
Paulo Takeo Sano; Ariane Luna Peixoto; André Olmos Simões; Marcos Eduardo Guerra Sobral
Orientador: Paulo Takeo Sano; Evelyne Jill Lucas
Resumo

Myrtaceae possui cerca de 4.600-5.800 espécies, distribuídas em áreas tropicais e subtropicais. Myrteae é uma das tribos mais ricas da família, com ca. de 2.500 espécies. Estudos sobre desenvolvimento e evolução de flor em Myrteae têm mostrado a condição homoplástica de caracteres anteriormente considerados diagnósticos, culminando em um melhor entendimento taxonômico. O hiper-diverso gênero Eugenia, com ca. de 1.050 espécies, está incluído nessa tribo e tem se mostrado morfologicamente homogêneo. Contudo, gêneros previamente segregados de Eugenia pelo grau de fusão do cálice são fontes de controvérsia taxonômica. A filogenia molecular baseada em cinco regiões de DNA reconstruiu que o cálice fundido evoluiu independentemente diversas vezes em Eugenia. A investigação morfológica da fusão do cálice revelou cinco padrões de desenvolvimento, além da condição dos lobos livres. Embora os padrões de desenvolvimento sejam homoplásticos, o sinal filogenético indicou que eles podem ser utilizados para complementar caracteres e sustentar clados. O padrão membranissépalo é uma exceção, sendo exclusivo e diagnóstico de um clado Amazônico. Espécies tradicionalmente reconhecidas com seis pétalas são interpretadas como padrão petaloide, isto é, quatro pétalas são precedidas por duas sépalas internas e petaloides, e duas sépalas externas e fundidas entre si. Padrão longohipanto é reconhecido como uma condição extremamente rara em Eugenia, em que o hipanto se alonga estende, bem como os verticilos estaminais, resultando em estames curvos no botão em vez de eretos. Mudanças nomenclaturais e uma recircunscrição e revisão taxonômica de Eugenia sect. Schizocalomyrtus derivam destes resultados. Dez espécies são descritas e comentadas em suas distribuições, sua conservação e taxonomia. A inflorescência de Eugenia também é analisada sob uma abordagem integrativa, que revela arranjos previamente ignorados como relevantes para a sistemática e taxonomia. Sete padrões foram descritos, e cinco deles são considerados para uma análise evolutiva. O padrão auxotélico foi recuperado em linhagens que primeiro divergiram. Isso sugere que o seu ancestral hipotético é similar ao padrão auxotélico. O padrão fasciculiforme é amplamente distribuído na seção de maior riqueza, Eugenia sect. Umbellatae, indicando que altas taxas de diversificação podem estar relacionadas com a aquisição desse padrão. Este estudo também fornece novas hipóteses para a evolução dos arranjos da inflorescência, indicando que flexibilidade no padrão racemoso de ramificação é, provavelmente, a inovação chave que promoveu a diversificação de Eugenia na região Neotropical (AU)

Processo FAPESP: 14/04043-9 - Filogenia, biogeografia e revisão taxonômica de Calycorectes O. Berg (Myrtaceae)
Beneficiário:Augusto Giaretta de Oliveira
Linha de fomento: Bolsas no Brasil - Doutorado