Busca avançada
Ano de início
Entree


Sistemas micelares termossensíveis de PVA/PEO-PPO-PEO para a liberação fotoquimica de óxido nítrico

Texto completo
Autor(es):
Thatiane Cristine Camargo Marini
Número total de Autores: 1
Tipo de documento: Dissertação de Mestrado
Instituição: Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP). Instituto de Química
Data de defesa:
Membros da banca:
Ângela Maria Moraes; Cláudia Longo
Orientador: Marcelo Ganzarolli de Oliveira
Resumo

O óxido nítrico (NO) é uma espécie endógena presente em todas as células e está envolvida em muitos processos biológicos. S-nitrosotióis (RSNOs) representam uma classe de doadores de NO encontrados endogenamente nos mamíferos e apresentam capacidade de liberação de NO por vias térmica e fotoquímica. Assim, a incorporação destas moléculas em matrizes poliméricas pode proporcionar formas de liberação tópica de NO controladas pela irradiação com luz visível. Neste projeto, o RSNO S-nitrosoglutationa (GSNO) foi incorporado em nanocarregadores termosensíveis compostos de hidrogéis de poli(álcool vinílico) (PVA) e copolímero em tribloco de PEO-PPO-PEO (F127), para a liberação fotoquímica de NO. Estas matrizes são sistemas heterogêneos compostos de micelas de F127 com núcleos hidrofóbicos de PPO, permitindo assim um controle cinético da liberação de NO em aplicações localizadas. As formulações foram preparadas a partir das soluções poliméricas em meio aquoso e foram caracterizadas quanto às suas propriedades térmicas que foram temperatura crítica de micelização, (CMT) por calorimetria exploratória diferencial (DSC) e tamanho e empacotamento de micelas por espalhamento de raios-X à baixo ângulo (SAXS). As cinéticas de liberação fotoquímica de NO sob irradiação com luz visível foram acompanhadas por espectrofotometria através do decaimento da banda de GSNO e detecção de NO liberado em tempo real, por quimiluminescência. Os resultados apresentados nesse trabalho mostraram que foi possível modular a liberação de NO a partir das formulações estudadas variando-se as quantidades de F127 e PVA, devido às mudanças nas propriedades das soluções, como as temperaturas de gelificação e o tipo de empacotamento das micelas para cada formulação (AU)