Busca avançada
Ano de início
Entree


Relação entre a infecção gestacional por Zika vírus (ZIKV) e alterações na acuidade visual e desenvolvimento visual em bebês e crianças de duas coortes: Jundiaí e Rio de Janeiro

Texto completo
Autor(es):
Luiz Claudio Portnoi Baran
Número total de Autores: 1
Tipo de documento: Dissertação de Mestrado
Imprenta: São Paulo.
Instituição: Universidade de São Paulo (USP). Instituto de Psicologia
Data de defesa:
Membros da banca:
Dora Selma Fix Ventura; Marcelo Fernandes da Costa; Leonardo Dutra Henriques; Saulo Duarte Passos
Orientador: Dora Selma Fix Ventura
Resumo

O Zika virus (ZIKV) é um flavívirus, tal qual o virus da dengue e, assim como esse, também é transmitido pelos mosquitos do gênero Aedes, especialmente o Aedes aegipty Restrito ao continente africano até 2007, o ZIKV chegou as Américas em 2013, com os primeiros registros brasileiros da infecção datando de 2014 - 2015. Em 2016, a OMS classificou o surto de ZIKV como Emergência de Saúde Mundial. O ZIKV pode acarretar na Sindrome Congênita do ZIka Vírus (SCZ) em bebês que sofreram infecção gestacional. Além da manifestação mais temida e marcante, a microcefalia, e de demais danos neurológicos, a SCZ tem sido principalmente associada com anomalias visuais e oftalmológicas. Entretanto, poucas informações se encontram disponíveis na literatura sobre o impacto da infecção por ZIKV nas funções visuais e desenvolvimento visual em crianças sem microcefalia. Pouco se conhece também do impacto da infecção em diferentes populações brasileiras, de localidades distintas. Dessa forma, o presente trabalho se propôs a preencher essa lacuna, avaliando a acuidade visual (AV) e desenvolvimento da acuidade visual em crianças expostas gestacionalmente ao ZIKV, utilizando-se o Teste dos Cartões de Acuidade de Teller (CAT). As crianças avaliadas vieram de duas populações distintas da região Sudeste do Brasil, a cidade de Jundiaí (SP) e a cidade do Rio de Janeiro (RJ). A Coorte Zika Jundiaí foi composta de 118 crianças divididas entre grupo controle saudável (ZC) com 63 crianças, grupo experimental, dividido em dois subgrupos, baseado em exame de RT- qPCR, sorologia ou avaliação clínica, o subgrupo Exposto (ZE) com 23 crianças, em que apenas as mães tiveram infecção confirmada por ZIKV e o subgrupo Infectado (ZI), com 24 crianças no qual mãe e criança tiveram infecção confirmada. Oito crianças formaram o grupo Controle Postivo (M), com crianças com microcefalia em decorrência de outras causas. A Coorte IFF Fiocruz Rio de Janeiro foi composta de 32 crianças, todas com infecção confirmada pelo ZIKV (ZI), por exame de RT-qPCR, sorologia ou avaliação clínica. Os resultados do presente trabalho mostram que a exposição gestacional ao ZIKV, na ausência de infecção, parece não ter efeito sobre a AV ou seu desenvolvivemento. No entanto, quando ocorre infecção gestacional por ZIKV, pode haver prejuízos à AV mesmo quando a criança não apresenta anomalias neurológicas e/ou oftalmológicas aparentes. Esse trabalho, entretanto, concorda com estudos anteriores que mostram uma maior chance de haver perdas de AV concomitantementes a um comprometimento cognitivo e/ou oftalmologico. As análises do subgrupo ZI de Jundiaí dão suporte a noção de que crianças gestacionalmente infectadas por ZIKV tendem a apresentar um desenvolvimento anormal (mais lento) da AV. Esse achado, se reproduzido, possuí repercussões mais gerais, dado que quaisquer danos à função visual podem indicar deficiências no sistema nervoso central. Assim sendo, tais achados tem importantes repercussões na saúde pública. Além disso, as taxas diferentes de danos à AV, bem como de incidência de microcefalia e comprometimento oftalmológico entre as populações estudadas neste trabalho, apoiam a hipótese da existência de demarcadas diferenças regionais entre as linhagens de ZIKV circulantes no país, assim como de diferenças de suscetibilidade de hospedeiros entre as populações estudadas (AU)

Processo FAPESP: 16/14793-0 - Relação entre a infecção gestacional por Zika vírus (ZIKV) e alterações na acuidade visual e percepção de cores em infantes até três anos de idade
Beneficiário:Luiz Claudio Portnoi Baran
Linha de fomento: Bolsas no Brasil - Mestrado