Busca avançada
Ano de início
Entree


Transtornos do espectro obsessivo-compulsivo e febre reumática: um estudo de transmissão familiar

Texto completo
Autor(es):
Ana Gabriela Hounie
Número total de Autores: 1
Tipo de documento: Tese de Doutorado
Imprenta: São Paulo.
Instituição: Universidade de São Paulo (USP). Faculdade de Medicina
Data de defesa:
Membros da banca:
Euripedes Constantino Miguel Filho; Beny Lafer; Homero Pinto Vallada Filho; Mayana Zatz
Orientador: Euripedes Constantino Miguel Filho
Resumo

Resumo HOUNIE, A.G. Transtornos do espectro obsessivo-compulsivo e febre reumática: um estudo de transmissão familiar. São Paulo, 2003. 174p. Tese (Doutorado) – Faculdade de Medicina, Universidade de São Paulo. A febre reumática (FR) é uma doença autoimune causada por anticorpos desenvolvidos contra o estreptococo beta hemolítico do grupo A (SBHGA). Estudos recentes amparam a noção de que a FR esteja associada ao transtorno obsessivo-compulsivo (TOC), independentemente da presença de outras manifestações no sistema nervoso central (ex.: coréia de Sydenham - CS). O TOC freqüentemente surge acompanhado por outros transtornos, como aqueles denominados de transtornos do espectro obsessivo (TEO), entre eles, a síndrome de Tourette (ST), o transtorno de tiques crônicos (TTC) e o transtorno dismórfico corporal (TDC). Alguns deles parecem apresentar uma relação geneticamente determinada. Um subgrupo de TOC é geneticamente relacionado à ST, podendo ser considerado uma expressão fenotípica alternativa de seu genótipo. Um recente estudo de famílias de portadores de TOC encontrou alta freqüência de TDC nos seus familiares de primeiro grau, além de transtornos de tiques. Neste estudo de famílias buscamos verificar a freqüência de TOC e TEO relacionados em familiares de portadores de FR, com ou sem CS e em um grupo controle, na tentativa de determinar se existe agregação familiar desses transtornos em famílias com FR. Foram avaliados 98 probandos e seus 381 familiares de primeiro grau (FPG). Dos 98 probandos, 31 eram portadores de FR sem CS, 28 tinham FR com CS e 39 eram controles sem FR recrutados em um ambulatório de ortopedia. Entrevistadores treinados avaliaram os sujeitos por meio de entrevistas semi-estruturadas (KSADS e SCID). Vinhetas clínicas foram elaboradas e avaliadas por psiquiatras independentes que faziam a melhor estimativa diagnóstica (best estimate diagnosis). Estes avaliadores eram cegos quanto a se os sujeitos eram probandos ou familiares e quanto ao grupo a que pertenciam. As comparações entre as freqüências dos transtornos entre os três grupos foram feitas por meio dos testes de Fisher, qui-quadrado, pelas Equações de Estimação Generalizadas (GEE) e pela análise de Kaplan-Meier. Resultados foram considerados estatisticamente significantes quando o nível descritivo (p, bicaudado) do teste foi menor ou igual a 0,05. Os TEO combinados foram mais freqüentes em FPG de portadores de FR como um todo (com e sem CS) do que em FPG de probandos controles (p=0,03). O TTC foi mais freqüente em FPG de probandos com CS do que FPG de controles (p=0,05). O TAG foi mais freqüente em FPG de portadores de FR do que em FPG de controles (p=0,008). Subdividindo os probandos baseados na presença de um TEO, os transtornos de tiques somados (p,GEE=0,01), o TDC (p,GEE=0,02), e o TAG (x2=0,004) individualmente e os TEO combinados (p,GEE=0,02) foram mais freqüentes em FPG de portadores de FR na presença de TEO comparados aos FPG de controles. Os TEO foram mais freqüentes (sem alcançar significância estatística, p=0,09) nos FPG de portadores de FR sem um TEO do que nos FPG de controles. A febre reumática nos probandos elevou o risco de seus familiares apresentarem um TEO. Esse risco foi ainda maior se o probando, além de apresentar FR, tinha ele próprio um TEO. É possível que um subgrupo da FR seja relacionado a TEO e que fatores de susceptibilidade para FR e para TEO tenham um efeito aditivo. Portanto, a FR pode ser considerada um fator de risco para TEO. (AU)

Processo FAPESP: 98/15013-9 - Transtorno obsessivo-compulsivo e transtornos relacionados em familiares de pacientes com febre reumática: um estudo de transmissão familiar
Beneficiário:Ana Gabriela Hounie
Linha de fomento: Bolsas no Brasil - Doutorado