Busca avançada
Ano de início
Entree


Ecomorfologia e uso de recursos das espécies de Chironius (Serpentes, Colubridae) na Serra do Mar

Texto completo
Autor(es):
Murilo Guimarães Rodrigues
Número total de Autores: 1
Tipo de documento: Dissertação de Mestrado
Imprenta: São José do Rio Preto. 76 f.
Instituição: Universidade Estadual Paulista. Instituto de Biociências, Letras e Ciências Exatas.
Data de defesa:
Membros da banca:
Marcio Roberto Costa Martins; Denise de Cerqueira Rossa Feres
Orientador: Otavio Augusto Vuolo Marques
Resumo

Foram analisados exemplares das cinco espécies de Chironius (C. bicarinatus, C. exoletus, C. foveatus, C. fuscus e C. laevicollis), provenientes da Floresta Atlântica na Serra do Mar, incluindo os estados do Paraná, São Paulo e Rio de Janeiro. Todas as espécies foram caracterizadas em relação à morfologia, dieta e uso do ambiente. O dimorfismo sexual no tamanho de corpo é variável entre as espécies: machos de C. bicarinatus e C. foveatus são maiores que as fêmeas conspecíficas, ao passo que em C. fuscus e C. laevicollis não existe dimorfismo sexual de tamanho, e em C. exoletus, as fêmeas são maiores. Essas diferenças sugerem que o comportamento de combate ritual, registrado em algumas espécies não esteja difundido em todos representantes do gênero. A comparação interespecífica evidência diferenças marcantes na morfologia e dieta: Chironius laevicollis tem corpo grande, maior robustez, a menor cauda e dieta baseada em anfíbios terrestres, características condizentes com o hábito terrestre; C. fuscus, tem corpo pequeno, robustez intermediária e alimenta-se principalmente de anuros terrestres, indicando hábito predominantemente terrestre; C. bicarinatus tem corpo médio, robustez intermediária e dieta baseada em anuros arborícolas e terrestres, sugerindo que forrageia freqüentemente nos dois ambientes; C. exoletus possui corpo pequeno, é pouco robusta e apresa principalmente anuros arborícolas, indicando que forrageia principalmente no substrato arbóreo, e por fim, C. foveatus possui o maior tamanho corporal, menor robustez, a maior cauda e dieta baseada em anuros arborícolas, o que indica ser a espécie mais arborícola do grupo. O ancestral hipotético desse grupo possuía tamanho médio de corpo e cauda, era semi-arborícola e alimentava-se de anfíbios terrestres e arborícolas. (AU)

Processo FAPESP: 04/12135-9 - Morfologia, uso do ambiente e dieta de espécies de chironius (serpentes: Colubridae) simpátricas da Mata Atlântica do Sudeste do Brasil
Beneficiário:Murilo Guimarães Rodrigues
Linha de fomento: Bolsas no Brasil - Mestrado