Busca avançada
Ano de início
Entree


Estudo das características clínicas e laboratoriais da infecção pelo vírus da dengue em crianças atendidas em uma unidade de saúde no municipio de Ribeirão Preto, São Paulo

Texto completo
Autor(es):
Telma Regina Ramos Silva Poloni
Número total de Autores: 1
Tipo de documento: Tese de Doutorado
Imprenta: Ribeirão Preto.
Instituição: Universidade de São Paulo (USP). Faculdade de Ciências Farmacêuticas de Ribeirão Preto
Data de defesa:
Membros da banca:
Victor Hugo Aquino Quintana; Harnôldo Colares Coêlho
Orientador: Victor Hugo Aquino Quintana; Aparecida Yulie Yamamoto
Resumo

A dengue é uma doença infecciosa transmitida pela picada de mosquitos do gênero Aedes. O vírus da dengue (DENV), pertencente ao gênero Flavivirus, família Flaviviridae, é atualmente um importante problema de saúde pública em todo o mundo. São reconhecidos quatro sorotipos antigenicamente distintos (DENV-1, -2, -3 e -4). A infecção por qualquer um dos sorotipos cursa de forma assintomática ou com quadro clínico que varia desde uma febre indiferenciada e autolimitada, passando pela febre clássica da dengue (FD) até quadros graves de febre hemorrágica da dengue (DHF). O diagnóstico clínico é difícil de ser realizado principalmente na faixa etária pediátrica em que os sintomas são muito similares aos de outras infecções febris agudas, ficando a cargo do laboratório o diagnóstico confirmatório. Este estudo descritivo do tipo série de casos teve como objetivo analisar as características clínicas e laboratoriais da dengue em pacientes pediátricos. A população de estudo foi constituída por 110 crianças com idade média de 9,3 ± 3,7 anos recrutadas em uma unidade de saúde no município de Ribeirão Preto, São Paulo. Amostras de sangue, saliva e urina foram coletadas das crianças 1-14 dias após o início do quadro clínico. Os sinais e sintomas mais frequentes foram a febre (105/110, 95%), seguida de cefaleia (66/110, 60%), mialgia (49/110, 45%), vômitos (27/110, 25%) e exantema (16/110, 15%). A infecção pelo vírus da dengue foi confirmada laboratorialmente em 96 crianças, as quais apresentavam sinais e sintomas compatíveis com a classificação de caso suspeito de dengue de acordo com os critérios da Organização Mundial da Saúde. A análise clínica inicial falhou em classificar como caso suspeito de dengue 46% das crianças. A carga viral foi significativamente maior no soro quando comparado àquela observada em saliva e urina, mas ainda assim estas amostras podem ser utilizadas como alternativa para diagnóstico da doença. O sequenciamento nucleotídico da região codificadora da proteína NS5 mostrou a circulação de DENV-3, principalmente durante o ano de 2010, e de DENV-1 e DENV-2, predominantemente no ano de 2011 na população do estudo. Houve predomínio de infecções primárias com quadro clínico leve sem complicações. (AU)

Processo FAPESP: 09/14552-0 - Estudo prospectivo da infecção pelo vírus da dengue em crianças no Município de Ribeirão Preto, São Paulo
Beneficiário:Telma Regina Ramos Silva Poloni
Linha de fomento: Bolsas no Brasil - Doutorado