Busca avançada
Ano de início
Entree


Estudo e proposta de um framework para o design de interfaces de usuario ajustaveis

Texto completo
Autor(es):
Vania Paula de Almeida Neris
Número total de Autores: 1
Tipo de documento: Tese de Doutorado
Instituição: Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP). Instituto de Computação
Data de defesa:
Membros da banca:
Juliana Pereira Salles; Junia Coutinho Anacleto; Eliane Martins; Claudia Maria Bauzer Medeiros
Orientador: Maria Cecilia Calani Baranauskas
Resumo

A socialização dos sistemas computacionais trouxe um desafio a mais para os pesquisadores de Interação Humano-Computador: como prover interfaces que propiciem acesso ao maior número possível de usuários independentemente de suas capacidades sensoriais, físicas, cognitivas e emocionais? Um dos caminhos que se apresenta é desenvolver sistemas flexíveis, i.e. que permitam modificações em seu comportamento durante a interação, oferecendo ao usuário a possibilidade de ajustar a interface de acordo com as suas preferências, necessidades e situações de uso. O design de interfaces flexíveis, que façam sentido e sejam acessíveis a mais pessoas, demanda abordagens que permitam conhecer e formalizar os diferentes requisitos de interação, definir funcionalidades e determinar o comportamento ajustável do sistema. Soluções encontradas na literatura relacionadas ao tema interfaces ajustáveis, (ou tailoring em inglês) enfatizam questões relacionadas à infra-estrutura necessária para o ajuste, não tendo sido encontrados trabalhos que apoiassem os designers de forma prática durante o processo de concepção dessas interfaces. Esta tese propõe e apresenta um framework para o design de interfaces de usuário ajustáveis, denominado PLuRaL. O termo framework é utilizado aqui no seu sentido mais amplo como uma estrutura composta por diretrizes, mecanismos, artefatos e sistemas usados no planejamento e na tomada de decisões de design. O PLuRaL adota uma perspectiva sócio-técnica para a concepção das interfaces ajustáveis e uma visão abrangente dos requisitos de interação, incluindo aqueles que são controversos ou minoritários e advindos não somente de usuários, mas também de diferentes dispositivos e ambientes de interação. Aspectos semânticos, pragmáticos e o impacto social da interação também são considerados. Por fim, o comportamento ajustável do sistema é modelado utilizando-se o conceito de normas. O referencial teórico-metodológico adotado para o trabalho de pesquisa envolveu as disciplinas de Interação Humano-Computador e Semiótica Organizacional. A construção do framework foi pautada por 2 estudos de caso envolvendo populações de usuário heterogêneas em contextos de sistemas de governo eletrônico e de rede social inclusiva. A validação do framework foi realizada com 17 designers e os resultados sugerem uma avaliação positiva considerando a utilidade, flexibilidade para apoiar mudanças, liberdade de criação e satisfação com as propostas de design resultantes (AU)