Busca avançada
Ano de início
Entree

Superando a resistência a inseticidas com uso da diversidade de fungos patogênicos e paisagem agrícola heterogênea

Processo: 17/50459-0
Linha de fomento:Auxílio à Pesquisa - Regular
Vigência: 01 de maio de 2018 - 30 de abril de 2019
Área do conhecimento:Ciências Agrárias - Agronomia - Fitossanidade
Convênio/Acordo: BBSRC, UKRI ; Newton Fund, com FAPESP como instituição parceira no Brasil
Pesquisador responsável:Ricardo Antonio Polanczyk
Beneficiário:Ricardo Antonio Polanczyk
Pesq. responsável no exterior: Luc François Bussiere
Instituição no exterior: University of Stirling, Escócia
Instituição-sede: Faculdade de Ciências Agrárias e Veterinárias (FCAV). Universidade Estadual Paulista (UNESP). Campus de Jaboticabal. Jaboticabal, SP, Brasil
Assunto(s):Controle biológico de vetores  Resistência a inseticidas  Fungos patogênicos  Helicoverpa armigera  Beauveria  Metarhizium  Segurança alimentar 
Publicação FAPESP:https://media.fapesp.br/bv/uploads/pdfs/fapesp_uk_xT6ajSt_74_74.pdf

Resumo

Insetos resistentes a inseticidas permanecem entre os obstáculos mais importantes para a segurança alimentar global; cada medida de controle recentemente desenvolvida impõe forte pressão de seleção em insetos praga, que inevitavelmente evoluem para resistência. A teoria genética evolutiva estabeleceu que a seleção de equilíbrio (que é necessária para manter a diversidade genética para os alelos suscetíveis) é mais provável em ambientes heterogêneos que contrastam fortemente com as monoculturas industriais. No entanto, considerações práticas, como dificuldades na colheita de policulturas, restringiram os esforços anteriores para incorporar essa visão e superar a resistência aos inseticidas. Nossa proposta explora o fato de que os patógenos naturais de insetos têm modos de ação substancialmente divergentes que foram moldadas ao longo de milhões de anos para evitar a resistência e supera essa heterogeneidade com abordagens praticamente viáveis para aumentar a complexidade da paisagem agrícola. Na fase inicial de nosso projeto, usaremos uma experiência de genética quantitativa para demonstrar os princípios teóricos com insetos relevantes e patógenos, juntamente com experiências de laboratório para medir os efeitos de vários isolados de fungos em insetos praga e demonstrar que esses isolados podem funcionar no Brasil em condições de campo relevantes. (AU)