Busca avançada
Ano de início
Entree

Avaliação da lipodistrofia e risco cardiovascular em crianças e adolescentes com dermatomiosite juvenil

Processo: 19/14715-8
Linha de fomento:Auxílio à Pesquisa - Regular
Vigência: 01 de março de 2020 - 28 de fevereiro de 2022
Área do conhecimento:Ciências da Saúde - Medicina
Pesquisador responsável:Claudio Arnaldo Len
Beneficiário:Claudio Arnaldo Len
Instituição-sede: Escola Paulista de Medicina (EPM). Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP). Campus São Paulo. São Paulo , SP, Brasil
Pesq. associados: David Carlos Shigueoka ; Fabiana de Carvalho Silva ; Liana Soido Teixeira e Silva ; Liete Maria Liarte Figueiredo Zwir ; Maria Teresa de Sande e Lemos Ramos Ascensão Terreri ; Roseli Oselka Saccardo Sarni ; Simone Guerra Lopes da Silva
Assunto(s):Crianças  Dislipidemias  Reumatologia  Lipodistrofia  Fatores de risco para doença cardiovascular  Adolescentes 

Resumo

A dermatomiosite juvenil (DMJ) é a miopatia inflamatória crônica idiopática mais comum da infância, manifestando-se como processo inflamatório crônico da musculatura estriada e da pele. A lipodistrofia adquirida está relacionada a infecções, terapia antiretroviral e diversas doenças autoimunes, como DMJ, esclerodermia e lupus eritematoso sistêmico. A doença cardiovascular também pode estar presente nos pacientes com DMJ e está incluída no abrangente conceito de síndrome metabólica, cujas manifestações incluem obesidade central, hiperglicemia, dislipidemia e hipertensão. Objetivos: Avaliar a presença da lipodistrofia e o risco cardiovascular (RCV) de crianças e adolescentes com dermatomiosite juvenil e verificar a associação do RCV (métodos bioquímicos e medida da espessura média da carótida) com lipodistrofia, composição corporal, atividade e duração da doença e presença de esteatose hepática. Casuística e métodos: serão avaliados pacientes com DMJ (n=45), com idade entre 5 e 21 anos, tempo mínimo de doença de 6 meses, com ou sem atividade da doença ou tratamento. Serão excluídos os pacientes portadores de outras doenças autoimunes e crônicas (exceto DMJ e sobrepeso/obesidade), neoplasias, processos infecciosos e grávidas. Serão coletados dados demográficos, clínicos e laboratoriais relativos à doença e medicamentos em uso. A presença de atividade de doença será identificada por meio de parâmetros clínicos, exames complementares (capilaroscopia periungueal e níveis séricos de enzimas musculares) e questionários validados. A avaliação clínica da lipodistrofia será classificada quanto à etiologia e quanto à extensão. Também serão realizadas avaliações: do estado nutricional (peso, estatura, índice de massa corporal), composição corporal, (absorciometria por dupla emissão de raios X), do consumo alimentar (recordatório de 24 horas), da espessura do complexo médio-intimal da carótida (ultrassonografia) e ultrassom de abdômen, assim como análise dos marcadores bioquímicos relacionados ao metabolismo lipídico e inflamação. (AU)