Busca avançada
Ano de início
Entree

Desenvolvimento de processo in vivo e não invasivo para a quantificação de ácido hialurônico na pele humana

Processo: 20/00928-7
Linha de fomento:Auxílio à Pesquisa - Pesquisa Inovativa em Pequenas Empresas - PIPE
Vigência: 01 de fevereiro de 2021 - 31 de outubro de 2021
Área do conhecimento:Engenharias - Engenharia Biomédica
Pesquisador responsável:Lázaro Pinto Medeiros Neto
Beneficiário:Lázaro Pinto Medeiros Neto
Empresa:Probes Inovação e Desenvolvimento Tecnológico Ltda. - ME
CNAE: Pesquisa e desenvolvimento experimental em ciências físicas e naturais
Município: São José dos Campos
Pesquisadores principais:Airton Abrahao Martin
Pesq. associados: Felipe Bachion de Santana ; Gustavo Carlos da Silva ; Lívia Assis Garcia
Bolsa(s) vinculada(s):21/02667-9 - Desenvolvimento de processo in vivo e não invasivo para a quantificação de ácido hialurônico na pele humana, BP.PIPE
Assunto(s):Imuno-histoquímica  Espectroscopia Raman  Espectroscopia óptica  Cosmecêuticos  Cosméticos  Ácido hialurônico  Envelhecimento da pele  Pele 

Resumo

O ácido hialurônico (AH) é um biopolímero natural do organismo humano formado pelo ácido glicurônico e N-acetilglicosamina. Na pele, tem como principal característica garantir a elasticidade, firmeza e hidratação, uma vez que atua preenchendo os espaços intracelulares, proporcionando um aspecto jovial. Sua presença está diretamente relacionada ao envelhecimento cutâneo, cuja principal manifestação é o aparecimento das rugas. O monitoramento deste elemento na pele humana in vivo e não invasivo é de grande importância comercial, pois permite um maior conhecimento sobre o processo do envelhecimento cutâneo e permitirá o desenvolvimento de produtos cosméticos mais efetivos. A avaliação de componentes endógenos na pele possibilita um maior entendimento sobre inúmeros processos fisiológicos, tais como o envelhecimento cutâneo. Um dos elementos essenciais para a garantia de uma pele firme e saudável é o AH. Alterações em sua concentração podem acelerar o surgimento das rugas e marcas de expressão. Atualmente, para que a avaliação da presença do AH seja feita, procedimentos invasivos, como as biópsias devem ser realizados. Portanto, o desenvolvimento de processos in vivo e não invasivos validados para a aplicação da técnica de espectroscopia Raman confocal (ERC) na avaliação do AH endógeno permitirá uma análise rápida, segura e livre de procedimentos invasivos na pele humana. Este novo processo validado levará a uma maior aceitação do mercado, principalmente pelas empresas cosmecêuticas, na utilização da ERC para avaliação deste componente na pele humana in vivo. Desta forma, este projeto de pesquisa propõe o desenvolvimento e validação de um novo processo para a avaliação da concentração do ácido hialurônico endógeno na pele humana por meio da técnica espectroscopia Raman confocal (ERC) in vivo, associada a técnica de imuno-histoquímica (IHC), a qual é o padrão ouro para avaliação da presença do ácido hialurônico na pele humana. Resumidamente, na análise será avaliada a pele in vivo de participantes de estudo em diferentes faixas-etárias pela técnica ERC, de forma a se estabelecer parâmetros de concentração de AH na pele em diferentes idades, bem como a distribuição deste elemento nas diferentes camadas da pele humana. No local analisado por ERC, será realizada uma biópsia com punch para posterior análise pelas técnicas de IHC e coloração de hematoxilina-eosina (HE) para a confirmação dos resultados encontrados. Espera-se, neste estudo fase 1, que a técnica ERC identifique a presença do AH endógeno na pele humana in vivo, e que estes resultados sejam corroborados pela técnica de IHC. Deve-se considerar que o desenvolvimento e validação do processo para avaliação da presença do AH pela ERC na pele será de grande importância, uma vez que permitirá uma análise em tempo real, in vivo, rápida e sem procedimentos invasivos, ou seja, sem a necessidade de se biópsias como na técnica de IHC. Além disso, no que diz respeito à avaliação da pele humana, a empresa DermoProbes é pioneira no Brasil, utilizando a técnica de espectroscopia Raman para a identificação da presença de diversos componentes, bem como o efeito de produtos aplicados sobre a pele e outros anexos. Portanto, a validação da ERC para determinar a concentração de AH abrirá um novo mercado para a DermoProbes e proporcionará uma maior confiança das empresas no mercado em aceitar a técnica ERC na avaliação do AH na pele, bem como permitirá um maior entendimento do processo do envelhecimento ocasionado pela deficiência do mesmo. Com isso, produtos à base de AH poderão ser desenvolvidos com uma maior precisão para estimular o rejuvenescimento da pele, cujos efeitos de eficácia poderão ser avaliados por ERC. (AU)