Busca avançada
Ano de início
Entree

Produção integrada de biodiesel e bioativos a partir da biomassa microalgal usando efluente da indústria sucroalcooleira

Processo: 22/07496-0
Modalidade de apoio:Auxílio à Pesquisa - Regular
Vigência: 01 de novembro de 2022 - 31 de outubro de 2024
Área do conhecimento:Ciências Biológicas - Microbiologia - Microbiologia Aplicada
Convênio/Acordo: FACEPE
Pesquisador responsável:João Carlos Monteiro de Carvalho
Beneficiário:João Carlos Monteiro de Carvalho
Instituição Sede: Faculdade de Ciências Farmacêuticas (FCF). Universidade de São Paulo (USP). São Paulo , SP, Brasil
Pesquisadores associados: Ana Lucia Figueiredo Porto ; Lívia Seno Ferreira Camargo ; Marcelo Chuei Matsudo ; Marina Ishii ; Milena de Paiva Cavalcanti ; Romero Marcos Pedrosa Brandão Costa
Assunto(s):Aproveitamento de subprodutos  Biodiesel  Bioprocessos  Ácidos graxos  Compostos bioativos  Microalgas  Vinhaça 
Palavra(s)-Chave do Pesquisador:ácidos graxos | Biodiesel | Compostos bioativos | Integração de bioprocessos | microalgas | vinhaça | Aproveitamento de resíduos

Resumo

A diversificação da matriz energética voltada para o desenvolvimento de um modelo sustentável é uma importante estratégia para o crescimento do País. O Brasil é o segundo maior produtor de bioetanol no mundo, gerando alta quantidade de CO2 e vinhaça como subprodutos. A vinhaça pode ser tratada por biodigestão anaeróbia, gerando CH4 (metano), que é considerado uma energia renovável no mercado emergente. O efluente líquido biodigerido ainda será rico em nitrogênio, fósforo e potássio, o que, juntamente com o CO2, pode ser utilizado como meio nutriente para o cultivo de microalgas. As microalgas têm se destacado como a próxima plataforma de biotecnologia industrial para produzir biocombustível e/ou bioativos. O problema do emprego da microalga para a produção de biocombustível é o alto custo de produção, o que pode ser reduzido pelo uso do efluentes industriais, emprego de microalga geneticamente modificada visando um aumento na produtividade em óleo, e associação da produção do biocombustível com outros compostos de alto valor agregado nas indústrias alimentícias, farmacêuticas e cosméticas. As microalgas são conhecidas por serem fontes naturais, renováveis, sustentáveis e promissoras de vários bioativos. Neste contexto, será avaliado o uso de água residual proveniente do tratamento anaeróbio da vinhaça associado ao CO2 proveniente da digestão para cultivo de microalgas selvagens e geneticamente modificadas para inibição de síntese de carboidrato de reserva visando o acúmulo de lipídios. Ademais, serão analisadas a produção e a purificação de peptídeos e proteínas com atividade (in vitro) anti-hipertensiva, fibrinolítica e leishmanicida obtidos a partir da biomassa microalgal selvagem e mutada visando agregar valor aos produtos gerados. Desse modo, esse projeto contribuiria com o desenvolvimento de uma possível matriz energética sustentável a partir do uso da biomassa microalgal, oferecendo um processo sustentável e eficiente por meio da maximização dos benefícios econômicos, ambientais e sociais. (AU)

Matéria(s) publicada(s) na Agência FAPESP sobre o auxílio:
Matéria(s) publicada(s) em Outras Mídias (0 total):
Mais itensMenos itens
VEICULO: TITULO (DATA)
VEICULO: TITULO (DATA)