Busca avançada
Ano de início
Entree

Estudo da ação do GM-CSF, do anti-TNF alfa e da associação dos dois agentes terapêuticos (GM-CSF e anti-TNF alfa) na inflamação intestinal cronicamente induzida e na deficiência da interleucina 10

Processo: 06/03092-0
Linha de fomento:Auxílio à Pesquisa - Regular
Vigência: 01 de julho de 2007 - 30 de junho de 2010
Área do conhecimento:Ciências Biológicas - Farmacologia - Farmacologia Clínica
Pesquisador responsável:Aytan Miranda Sipahi
Beneficiário:Aytan Miranda Sipahi
Instituição-sede: Faculdade de Medicina (FM). Universidade de São Paulo (USP). São Paulo , SP, Brasil
Assunto(s):Gastroenterologia  Doença de Crohn  Doença granulomatosa crônica 

Resumo

A doença de Crohn é uma patologia inflamatória crônica do trato gastrointestinal. A causa é desconhecida. A doença é caracterizada por uma inflamação granulomatosa que pode afetar qualquer porção do trato digestivo, freqüentemente descontinuada e com tendência de formação de fístula. A doença é comum na Europa, América do Norte e Austrália. Essa doença não é comum na Índia, África tropical e América do Sul, sendo rara no Japão. A partir de 1950 a incidência e prevalência estão aumentando em algumas regiões do mundo, as causas para essa mudança não são evidentes. A inflamação é transmural e consiste principalmente de linfócitos, histiócitos e células plasmocitóides. Granulomas são encontrados em sessenta e cinco por cento dos pacientes, sendo comum nos casos com acometimento retal, sendo menos comum na manifestação ileal. A arquitetura da mucosa está bem preservada, e no cólon as células caliciformes estão presentes. A superfície da mucosa intestinal é exposta há diversos antígenos alimentares e agentes bacterianos da flora intestinal. A resposta imune fisiológica orientada aos antígenos intestinais, não desencadeia injúria para o próprio organismo, sendo mediada por secreção de imunoglobulina A e adaptação do sistema imune decorrente do estímulo.As células do sistema imune inato, tais como macrófagos e monócitos, são capazes de organizar uma rápida resposta a um processo de injúria tecidual. Por exemplo, a um agente infeccioso, há secreção de citocinas pró-inflamatórias tais como interleucina 1 (IL-1), IL-6, IL-8, IL-12, fator de necrose tumoral alfa (TNF-alfa). O conjunto de citocinas, posteriormente, condiciona ao desenvolvimento de imunidade adaptativa mediada por linfócitos T e B.ObjetivoCaracterizar o efeito do Fator Humano Recombinante Estimulador de Colônia Granulócitos-Macrófagos (FEC-GM) e do anticorpo anti fator tumoral alfa, administrados isoladamente, e em associação, comparando quantativamente as células mononucleares e citocinas, a partir do processo inflamatório crônico intestinal em camundongos (C57/BL6 WT) induzidos quimicamente e também nos camundongos geneticamente modificados para a deficiência completa de interleucina 10 (C57BL/6 IL10 -/-), e posteriormente em cada grupo tratado. Métodos Camundongos C57BL/6 WT e C57BL/6 IL-10 -/- livre de patógenos específicos serão obtidos a partir do biotério do Instituto de Biociências da Universidade de São Paulo. Os camundongos serão mantidos em gaiolas no laboratório de investigação médica de Gastroenterologia da Universidade de São Paulo. Caracterização das células mononucleares presentes na lâmina própria e epitélio de revestimento da mucosa intestinal: células T CD4+ e CD8+, células NK, células dendríticas S100+ através de método imuno-histoquímico empregando estreptavidina-biotina peroxidase. Indução da inflamação intestinal em camundongos C57BL/6 WT:Os camundongos serão anestesiados com éter. A inflamação será induzida por meio da instilação de 0,5 mg do reagente TNBS dissolvido em igual quantidade de etanol a 50%. Um volume de 100µL da mistura TNBS-etanol será lentamente administrada por via retal com um catéter de 3,5F acoplado a uma seringa de um mililitro. Quantificação das citocinas em amostras parafinadas de ceco e cólon: Interferon-Gama, Fator de transformação do crescimento beta 1, Fator de necrose tumoral alfa. As quantificação das citocinas serão realizadas por imunohistoquímica. (AU)