Busca avançada
Ano de início
Entree

Evolucao dos valores de saturacao venosa central de oxigenio, lactato e deficit de base em caes com sepse grave: metas do tratamento e preditores de melhor prognostico.

Resumo

A sepse é uma síndrome clínica que promove alterações características na microcirculação, dificultando a avaliação da perfusão tecidual. No homem, estudos demonstram a importância de estabelecer a terapia baseando-se nas avaliações clínicas rotineiras, bem como nas variáveis de oxigenação e de perfusão tecidual como saturação venosa central de oxigênio, o lactato e a diferença de base. Assim, o objetivo deste estudo foi avaliar a evolução desses parâmetros durante as seis primeiras horas de reposição volêmica, buscando identificar o valor destas variáveis como marcadores de prognóstico. Foram incluídas 30 cadelas com sepse grave e choque séptico submetidas à reposição volêmica com 40 ml/kg/hora de solução cristalóide durante as seis primeiras horas de tratamento intensivo. Durante este período, a pressão arterial sistólica, o débito urinário, a pressão venosa central, o lactato, o déficit de base e a saturação venosa central de oxigênio foram monitorados a cada 90 minutos. A prevalência de algumas características clínicas dos animais, analisando a relação destas características com o desfecho (alta ou óbito) foi realizada através do teste de qui-quadrado ou teste exato de Fisher. A saturação venosa central de oxigênio, o déficit de base e o lactato foram comparados entre os sobreviventes e não- sobreviventes utilizando análise de variância com dois fatores. Foi considerada estatística significativa com p<0,05. A taxa de mortalidade foi de 36,7%. Os sobreviventes apresentaram valores de saturação venosa central acirna de 70% quando comparados aos não sobreviventes (p<0,001). Níveis séricos de lactato mais elevados também foram observados no grupo de não sobreviventes (p<0,001), bem como os valores de déficit de base também foram mais elevados no grupo de sobreviventes quando comparado aos animais que vieram a óbito (p<0,001). O suporte intensivo aos animais com sepse grave é fundamental na redução da mortalidade desses animais. Os valores de lactato, saturação venosa central de oxigênio e de déficit de base podem ser considerados bons marcadores de prognóstico. A utilização destes parâmetros como metas da reposição volêmica durante as seis horas iniciais do atendimento parece reduzir a mortalidade, no entanto, estudos rnulticêntricos são necessários para definir esta relação. (AU)