Busca avançada
Ano de início
Entree

Desenvolvimento analítico para quantificação de ácido pfáffico em genótipos de Pfaffia paniculata a partir da obtenção do padrão analítico

Processo: 08/01376-6
Linha de fomento:Auxílio à Pesquisa - Regular
Vigência: 01 de outubro de 2008 - 31 de março de 2011
Área do conhecimento:Ciências Exatas e da Terra - Química - Química Analítica
Pesquisador responsável:Marili Villa Nova Rodrigues
Beneficiário:Marili Villa Nova Rodrigues
Instituição-sede: Centro Pluridisciplinar de Pesquisas Químicas, Biológicas e Agrícolas (CPQBA). Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP). Paulínia , SP, Brasil
Bolsa(s) vinculada(s):09/00383-1 - Desenvolvimento analítico para quantificação de ácido pfáffico em genótipos de Pfaffia paniculata a partir da obtenção do padrão analítico., BP.TT
Assunto(s):Instrumentação analítica  Cromatografia  Controle da qualidade  Panax  Pfaffia paniculata 

Resumo

A espécie Pfaffia paniculata Kuntze (Amaranthaceae) conhecida como "ginseng brasileiro" pela similaridade da morfologia de suas raízes com o ginseng asiático (Panax ginseng - Araliaceae) é muito utilizada na medicina popular como tônico afrodisíaco e antidiabético. Dentre as várias atividades terapêuticas de suas raízes inclui-se a atividade analgésica, antiinflamatória e anti-tumoral. A atividade anti-tumoral, atribuída ao ácido pfáffico presente nas raízes de P. paniculata despertou grande interesse pela comercialização desta espécie. No Brasil, embora a espécie P. paniculata seja a mais empregada em preparações comerciais a espécie P. glomerata é normalmente utilizada como seu substituto principalmente na região sul do país ou em mistura (fraude), uma vez que a P. paniculata é de difícil cultivo. É importante salientar que as espécies de P. paniculata e P. glomerata possuem constituições químicas diferentes consequentemente, diferentes atividades farmacológicas, sendo necessário a utilização de um controle de qualidade adequado para a diferenciação das espécies. Uma vez que o ácido pfáffico encontra-se presente apenas na P. paniculata, a autenticidade desta espécie pode ser realizada através da quantificação deste composto na raíz, o que vem justificar a necessidade de um método analítico validado. Porém, o principal desafio no desenvolvimento deste método analítico é a indisponibilidade comercial do padrão analítico de ácido pfáffico, levando à necessidade de isolamento do mesmo, além da dificuldade química da molécula (ausência de cromóforos e alta polaridade). A importância terapêutica da P. paniculata sobretudo como anti-tumoral, a disponibilidade de uma coleção de diferentes genótipos no Campo Experimental do CPQBA e a falta de um método analítico apurado para o controle de qualidade desta espécie brasileira motivaram a elaboração deste projeto, que visa validar um método cromatográfico para aplicação no controle de qualidade do "ginseng brasileiro" e dispor de maiores informações sobre os diferentes genótipos da coleção utilizando marcadores moleculares (microssatélites). A metodologia desenvolvida para a quantificação de ácido pfáffico, será empregada na seleção de diferentes genótipos de P. paniculata cultivadas no Campo Experimental do CPQBA-UNICAMP, além da contribuição analítica para o controle da qualidade da Pfaffia paniculata, que servirá como apoio para outros projetos de pesquisa já em desenvolvimento. (AU)

Publicações científicas
(Referências obtidas automaticamente do Web of Science e do SciELO, por meio da informação sobre o financiamento pela FAPESP e o número do processo correspondente, incluída na publicação pelos autores)
NOVA RODRIGUES, MARILI VILLA; SOUZA, KELLY DE PAULA; GARCIA REHDER, VERA LUCIA; VILELA, GISELE FREITAS; MONTANARI JUNIOR, ILIO; FIGUEIRA, GLYN MARA; RATH, SUSANNE. Development of an analytical method for the quantification of pfaffic acid in Brazilian ginseng (Hebanthe eriantha). Journal of Pharmaceutical and Biomedical Analysis, v. 77, p. 76-82, APR 15 2013. Citações Web of Science: 1.

Por favor, reporte erros na lista de publicações científicas escrevendo para: cdi@fapesp.br.