Busca avançada
Ano de início
Entree

Expressão de retrovírus humanos endógenos (HERVs) em crianças expostas ao HIV por via vertical e não infectadas

Processo: 11/13612-9
Linha de fomento:Auxílio à Pesquisa - Regular
Vigência: 01 de fevereiro de 2012 - 31 de janeiro de 2014
Área do conhecimento:Ciências da Saúde - Medicina
Pesquisador responsável:Daisy Maria Machado
Beneficiário:Daisy Maria Machado
Instituição-sede: Instituto de Medicina Tropical de São Paulo (IMT). Universidade de São Paulo (USP). São Paulo , SP, Brasil
Pesq. associados:Camila Malta Romano ; Regina Célia de Menezes Succi
Bolsa(s) vinculada(s):12/21657-5 - Expressão de retrovírus humanos endógenos (HERVs) em crianças expostas ao HIV por via vertical e não infectadas, BP.TT
12/01536-9 - Expressão de retrovírus humanos endógenos (HERVs) em crianças expostas ao HIV por via vertical e não infectadas, BP.TT
Assunto(s):Infectologia  Infecções por Retroviridae  HIV  Retrovirus endógenos  Expressão gênica  Crianças 

Resumo

O DNA das células dos humanos é constituído, entre outros componentes, por sequências retrovirais completas ou degeneradas denominadas de retrovírus endógenos (ERVs, do inglês endogenous retroviruses).Os retrovírus endógenos humanos (HERVs) têm características semelhantes às dos retrovírus exógenos, não sendo, contudo, infecciosos.São transmitidos geneticamente como DNA proviral para as células germinativas.A expressão dos HERVs pode influenciar na malha gênica do hospedeiro, tanto de forma benéfica como em detrimento do hospedeiro.Existem diversas famílias de ERVs integradas no genoma humano.A maioria dos genomas de provírus completos (contendo gag, pol e env, além das LTRs) encontrados no genoma humano é pertencente à família K, subfamília HML-2. Anticorpos anti-HERV-K têm sido associados à infecção pelo HIV, sendo detectados em 70% dos indivíduos soropositivos para esse vírus. A expressão de HERVs é capaz de incitar a resposta imune celular, e há células que reconhecem epítopos compartilhados entre HERVs e HIV-1, aumentando a resposta imune contra o vírus exógeno. A maioria das crianças nascidas de mães infectadas pelo HIV (65-85%) não adquire a infecção, entretanto, é provável que uma proporção delas tenha tido contato intraútero com o vírus. A hipótese do presente estudo seria que essas crianças, por terem sido expostas ao HIV na gestação, apresentem uma maior expressão de HERVs, quando comparadas aquelas que não expostas ao HIV. Assumir que a expressão diferencial de ERV-K seja de alguma forma uma resposta do organismo a situações de stress (como contato com um retrovírus exógeno) parece um possível cenário, que certamente merece ser investigado. Mesmo com vários estudos correlacionando a expressão de HERVs em situações de stress, infecção por agentes microbianos, câncer e doenças auto-imunes, ainda não há evidências se a expressão desses elementos é apenas uma conseqüência da alteração da malha gênica do hospedeiro, ou se de fato, exercem um papel relevante no desenrolar de todas essas patogenias.Objetivos:1) Avaliar a expressão de HERVs em crianças expostas ao HIV e suas mães e compará-la com a de crianças não infectadas 2) Avaliar os polimorfismos de inserção dos HERVs-K113, K115 e K106.Métodos:Estudo longitudinal, não mascarado e sem locação aleatória, com 30 crianças expostas verticalmente ao HIV e não infectadas, assim como suas respectivas mães (Grupo Mães HIV/Filhos Expostos), acompanhados na Disciplina de Infectologia Pediátrica do Departamento de Pediatria da Universidade Federal de São Paulo (CEADIPe-UNIFESP). Um grupo controle (Mães não HIV/Filhos não expostos) será composto por 30 crianças e suas respectivas mães não infectadas pelo HIV. Faixa etária das crianças de ambos os grupos: 3 meses a 5 anos de idade.Os pacientes serão selecionados com base nos seguintes critérios de inclusão:Grupo Mães HIV/Filhos expostos-mães comprovadamente soropositivas para o HIV; crianças comprovadamente expostas por via vertical ao HIV e não infectadas; responsável legal com disponibilidade para trazer a criança ao centro de atendimento quando solicitado; assinatura do TCLE pelo responsável legal.Uma amostra de aproximadamente 3-5 ml de sangue total será coletada dos participantes de ambos os grupos. A partir do material, será feita a extração de RNA (kit QIAamp Viral RNA Kit). A síntese do cDNA será realizada com o kit de transcrição reversa High Capacity (Applied Biosystems). Uma vez que a única família de HERVs a ser transativada pelo HIV é a família K, será investigada a expressão da família K(HML1-10), e de maneira geral, será verificada a expressão das famílias H e W. Para isso, primers degenerados descritos na literatura que amplificam as 10 subfamílias do HERV-K serão utilizados, bem como primers dirigidos para a região do envelope das demais famílias. Como não se sabe o padrão de expressão de retrovírus endógenos em crianças e bebês, essas três famílias serão investigadas por serem as mais ativas no genoma humano. (AU)