Busca avançada
Ano de início
Entree

Bioflavanóide e ácido polisiálicos: novas moléculas com aplicação adjuvante de vacinas

Processo: 07/56760-2
Linha de fomento:Auxílio à Pesquisa - Regular
Vigência: 01 de fevereiro de 2008 - 31 de janeiro de 2010
Área do conhecimento:Ciências da Saúde - Farmácia - Farmacotecnia
Pesquisador responsável:Marco Antonio Stephano
Beneficiário:Marco Antonio Stephano
Instituição-sede: Faculdade de Ciências Farmacêuticas (FCF). Universidade de São Paulo (USP). São Paulo , SP, Brasil
Assunto(s):Adjuvantes farmacêuticos  Vacinas  Flavonoides  Ácidos polisiálicos  Sistema imune 

Resumo

Adjuvantes são substâncias capazes de estimular imunidade, seja celular ou humoral, auxiliando a especificidade do antígeno, maior do que aquela desenvolvida pelo próprio antígeno sozinho. A palavra adjuvante vem da palavra latina adjuvare, que significa auxiliar. Os adjuvantes podem ser de origens distintas: sintéticos, recombinantes, derivados de microrganismos e derivados de produtos naturais. Os adjuvantes atualmente aceitos para uso humano são sais inorgânicos, com base no alumínio. Devido à importância clínica e econômica dos adjuvantes, cerca de cem substâncias têm sido avaliadas quanto ao seu potencial adjuvante para vacinas, mas apenas seis foram aprovadas (2005-2007) por órgãos regulamentadores (Food and Drug Administration, European Medicines Agency), dentre os quais estão: i) emulsão MF59; ii) partículas de virossomas; iii) proteína termo-label de E. coli; vi) MPL (mono fosforil lipídio A); v) RC-529 (aminoaquil glicosamina sintético); vi) Cólera Endotoxina B. Outros tipos de adjuvantes tem sido estudados (fase I e/ou fase II) e que levarão pelo menos mais 2 a 3 anos para conseguirem a aprovação para uso. A maioria dos adjuvantes pesquisados são moléculas de natureza orgânica, derivados de produtos naturais, favorecendo essencialmente a sua biotransformação no interior do fagolisossoma, diminuindo o tempo de produção de óxido nítrico e, consequentemente, reduzindo efeitos tóxicos sobre o macrófago. Este projeto objetiva estudar dois produtos: um de origem natural (bioflavonóide) e outro de origem microbiana (ácido polisiálico), ambos referenciados ao mPEG (molécula aceita), como adjuvantes que estimulam a imunidade das mucosas e viabilizam a utilização de vacinas por via oral e comprovada atuação sobre o sistema imunológico. (AU)