Busca avançada
Ano de início
Entree

Da comunicação de riscos à cultura de risco: construção de instrumentos e métodos para empoderar populações em situações de risco ambiental

Processo: 14/27225-5
Linha de fomento:Auxílio à Pesquisa - Pesquisador Visitante - Internacional
Vigência: 03 de abril de 2015 - 02 de abril de 2016
Área do conhecimento:Ciências Sociais Aplicadas - Planejamento Urbano e Regional - Métodos e Técnicas do Planejamento Urbano e Regional
Pesquisador responsável:Cintia Okamura
Beneficiário:Cintia Okamura
Pesquisador visitante: Jacques Lolive
Inst. do pesquisador visitante: Politiques Publiques, Action Politique, Territoires (PACTE), França
Instituição-sede: Companhia Ambiental do Estado de São Paulo (CETESB). Secretaria do Meio Ambiente (São Paulo - Estado). São Paulo , SP, Brasil
Assunto(s):Gestão de riscos  Riscos ambientais  Contaminação  Intercâmbio de pesquisadores 

Resumo

O principal objetivo da vinda do pesquisador visitante Jacques Lolive refere-se a sua participação no projeto Fapesp Auxílio Regular 2014/07014-0, "Da Comunicação de Riscos à Cultura de Risco: construção de instrumentos e métodos para empoderar populações em situações de risco ambiental" tendo como Pesquisador Responsável: Cintia Okamura e Instituição Sede: CETESB - Companhia Ambiental do Estado de São Paulo. Antecedentes Antes de descrever o Plano de Trabalho em que Jacques Lolive, pesquisador visitante, vai participar durante sua missão de 12 (doze) meses no Brasil cabe descrever os antecedentes que justificam tal solicitação. Jacques Lolive foi o coordenador, do lado francês, do Projeto de Pesquisa FAPESP-CNRS (2013-2014) Processo nº 13/50022-0 "A contribuição do campo das ambiências para a construção de instrumentos e métodos de sensibilização, comunicação e participação envolvendo populações expostas ao risco de contaminação biológica das águas" e Cintia Okamura foi a pesquisadora principal do lado brasileiro. A realização dessa pesquisa permitiu reflexões importantes que foram a base para a elaboração do Projeto Fapesp Auxílio Regular 2014/07014-0, que propõe testar e construir metodologias pertinentes para analisar, revelar e valorizar a experiência da população exposta a fim de contribuir com o desenvolvimento de uma cultura de risco. Para tanto, Jacques Lolive propôs aplicar alguns métodos experimentados na França e que serão adaptados ao Brasil. Plano de Trabalho para a visita do Pesquisador Visitante Jacques Lolive: de abril de 2015 a março de 2016ETAPA 1 (abril a setembro de 2015). * Reuniões com a equipe da CETESB: as reuniões são mensais. * Além das áreas piloto, visitas às outras áreas contaminadas críticas e locais que envolvem situações críticas ambientais. * Diagnóstico participativo com a equipe da pesquisa: Estado da Arte, discussão sobre o problema da pesquisa, os avanços e os limites. * Visitas às áreas em estudo/ trabalho de campo. * Planejamento Participativo com a equipe da pesquisa: análise e discussão do material e produtos obtidos na 1º Etapa do Projeto Fapesp Auxílio Regular. * Planejamento Participativo com a equipe ampliada da pesquisa: Discussão dos dados obtidos sobre o campo e em campo (áreas piloto), discussão e escolha dos instrumentos e métodos que serão aplicados, elaboração de um plano de ação. Serão apresentadas as experiências da equipe envolvida. * Diagnóstico participativo com a população utilizando os instrumentos e métodos escolhidos no Planejamento Participativo. ETAPA 2 (outubro de 2015 a março de 2016). * Sistematização dos dados obtidos no diagnóstico participativo com a população e definição das questões, expectativas e controvérsias suscitadas pelo caso. * Identificação dos diferentes sujeitos concernidos (especialistas, técnicos, moradores, gestores, políticos, etc.) a fim de refletir sobre os interlocutores que comporão a segunda fase: "fórum risco". * Análise participativa com a equipe da pesquisa: apresentação e discussão dos resultados obtidos em campo e análise crítica dos instrumentos e métodos aplicados. * Lançamento do Fórum Risco: discutir com a população os resultados obtidos no diagnóstico participativo. * Com base na análise realizada dos trabalhos de campo, tradução dos resultados da pesquisa em normas de ação que permitirá a elaboração do roteiro do protocolo de sensibilização-comunicação e participação. * Fórum risco: apresentação e discussão da proposta do protocolo de sensibilização- comunicação e participação. (AU)