Busca avançada
Ano de início
Entree

Desenvolvimento e padronização de DNA microarray e loop mediated isothermal amplification (LAMP) para identificação de fungos patogênicos em espécimes clínicos

Processo: 15/25035-7
Linha de fomento:Auxílio à Pesquisa - Regular
Vigência: 01 de março de 2016 - 31 de agosto de 2018
Área do conhecimento:Ciências da Saúde - Medicina - Clínica Médica
Pesquisador responsável:Maria Luiza Moretti
Beneficiário:Maria Luiza Moretti
Instituição-sede: Faculdade de Ciências Médicas (FCM). Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP). Campinas , SP, Brasil
Pesq. associados:Angelica Zaninelli Schreiber ; Ariane Fidelis Busso Lopes ; Cibele Aparecida Tararam ; Plinio Trabasso
Assunto(s):Técnicas de diagnóstico molecular  Doenças transmissíveis 

Resumo

O diagnóstico do agente etiológico da infecção é o ponto chave para a escolha precoce e adequada da terapia antifúngica. A identificação fúngica convencional depende da combinação de análises microscópicas diretamente no material clínico coletado e isolamento do micro-organismo em cultura. Essas técnicas possuem baixa sensibilidade e, muitas vezes, a identificação do patógeno é demorada devido ao período necessário para crescimento em cultura de alguns fungos. Nesse contexto, as metodologias moleculares são uma ferramenta promissora que reduzem o tempo de identificação e permitem um diagnóstico preciso, principalmente na determinação de gênero e de espécies. Com base nessas informações, os objetivos principais desse trabalho são (i) padronizar sondas de uma plataforma de DNA microarray para identificação de Candida albicans, Candida dubliniensis, Cryptococcus neoformans, Cryptococcus gattii, Fusarium sp., complexo de espécies Fusarium solani e Histoplasma capsulatum a partir de isolados em cultura e, a seguir, diretamente de amostras clínicas de hemocultura, sangue total, líquido céfalo-raquideo e líquido ascítico e, (ii) desenvolver e padronizar um ensaio de Loop mediated isothermal amplification (LAMP) para identificação e diferenciação entre as espécies de Cryptococcus neoformans e Cryptococcus gattii a partir de liquido céfalo-raquídeo de pacientes com meningite criptocócica. Dessa forma, esse estudo visa padronizar testes moleculares que permitam maior agilidade e sensibilidade na identificação dos patógenos fúngicos mais frequentemente envolvidos em infecções humanas. Uma vez padronizados, esses testes podem ser implementados futuramente, na rotina diagnóstica, principalmente para identificação de fungos patogênicos diretamente de amostras clínicas. É objetivo deste grupo de pesquisa depositar os resultados como patente para que, posteriormente, possam ser desenvolvidos por uma indústria de biotecnologia para uso na prática clínica. (AU)