Busca avançada
Ano de início
Entree

Análise dos aspectos genéticos nas doenças gastrointestinais funcionais - constipação intestinal funcional

Processo: 12/01467-7
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Pós-Doutorado
Vigência (Início): 01 de maio de 2012
Vigência (Término): 30 de abril de 2014
Área do conhecimento:Ciências Biológicas - Genética - Genética Humana e Médica
Pesquisador responsável:Ricardo Brandt de Oliveira
Beneficiário:Gustavo Henrique Vieira
Instituição-sede: Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto (FMRP). Universidade de São Paulo (USP). Ribeirão Preto , SP, Brasil
Vinculado ao auxílio:10/07639-9 - Motilidade gastrintestinal: investigações clínicas, fisiopatológicas e biofarmacêuticas, AP.TEM
Assunto(s):Genes   Constipação intestinal   Epigênese genética   Polimorfismo de um único nucleotídeo

Resumo

Doenças Gastrintestinais Funcionais (DGIF) é parte de um conjunto de síndromes complexas que se caracterizam por dor persistente e desconforto no sistema visceral. Estre estas as condições mais frequentes estão a dispepsia, a síndrome do Intestino Irritável, o Refluxo Gastroesofageal e a constipação crônica. O diagnóstico é realizado utilizando-se o questionário ROMA, e através das características anatômicas e idade de aparecimento dos sintomas categoriza o paciente entre as 28 subclasses. Dentre as DGIF, a Constipação Intestinal Funcional (CIF) ou simplesmente Constipação, é uma das afecções digestivas mais frequentes, com uma prevalência variando ao redor de 20% da população. Acomete crianças e adultos, sendo que nestes últimos é mais comum entre mulheres. Alguns trabalhos têm mostrado um predomínio entre idosos, negros, pessoas de nível educacional mais baixo e menor poder aquisitivo. Embora não seja afecção de prognóstico grave, o fato de afetar um contingente tão numeroso da população exige a utilização intensiva do sistema de saúde, mobilizando consideráveis recursos e pessoal médico no seu diagnóstico e acompanhamento. Por se tratar de doenças complexas o ambiente é fator importante no estudo destas síndromes, assim uma maior sensibilidade ao estresse diário poderá levar o indivíduo a apresentar os sintomas com maior ou menor gravidade. Desta forma, a busca por marcadores genéticos que demostrem esta predisposição se tornam importantes uma vez que poderão levar a um diagnóstico e terapia precoces. Polimorfismos de um Único Nucleotídeo (SNPs) já foram relacionados com fenótipos biológicos intermediários como Trânsito Colônico, aumento da percepção do estímulo visceral ou respostas cerebrais alteradas. Porém, estudos com um grande número de indivíduos são escassos, dificultando a extrapolação dos resultados encontrados. Até o momento não foram descritos marcadores biológicos que possibilitem a determinação de predisposição de um indivíduo para uma DGIF. Buscando entender melhor os mecanismos que levam a constipação intestinal funcional e que no futuro poderão colaborar com seu diagnóstico, prevenção e terapia efetiva, os objetivos primários deste projeto são: 1- Realizar genotipagem dos polimorfismos (SNPs) presentes nos genes candidatos até o momento associados às diferentes classes de pacientes com DGIF, nos pacientes que apresentam o fenótipo de CIF; 2-Realizar o sequenciamento dos genes candidatos até o momento associados às diferentes classes de pacientes com DGIF, buscando novas regiões polimórficas que possam ser associadas à CIF e às DGIF; 3- Realizar estudo epigenético através da análise da região promotora dos genes até o momento associados às diferentes classes de pacientes com DGIF; 4 - Realizar o estudo da flora intestinal dos pacientes com DGIF através de análise metagenômica. Para isso, iremos avaliar 70 pacientes adultos que apresentem diagnóstico de CIF definidos pelos critérios do Roma III. Estes pacientes serão provenientes do ambulatório de Gastroenterologia do Hospital das Clínicas da UNESP- Campus Botucatu. Serão utilizadas técnicas de PCR em Tempo Real para a Genotipagem de Polimorfismos e sequenciamento de DNA para busca de novos polimorfismos em 6 genes previamente selecionados (SLC6A4, HT3E, CDH1, TLR9, IL6, IL10); Estudos Epigenéticos e Análise Metagenômica. Para cada resultado encontrado irá ser aplicada a ferramenta estatística que melhor se adapte a situação.