Busca avançada
Ano de início
Entree

Classificação prognóstica dos carcinomas mamários utilizando marcadores imunohistoquímicos

Processo: 12/09317-4
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Iniciação Científica
Vigência (Início): 01 de outubro de 2012
Vigência (Término): 31 de março de 2014
Área do conhecimento:Ciências da Saúde - Medicina
Pesquisador responsável:Debora Aparecida Pires de Campos Zuccari
Beneficiário:Maria Laura Lazaretti Perini
Instituição-sede: Faculdade de Medicina de São José do Rio Preto (FAMERP). Secretaria de Desenvolvimento Econômico (São Paulo - Estado). São José do Rio Preto , SP, Brasil
Assunto(s):Imuno-histoquímica   Marcadores prognósticos   Neoplasias mamárias   Oncologia

Resumo

O câncer de mama é uma preocupação mundial, sendo esta a neoplasia mais comum entre as mulheres e a quinta maior causa de morte relacionada ao câncer. À medida que avança a detecção mais precoce dos carcinomas mamários e melhoram os tratamentos para a doença, a busca por uma determinação acurada do prognóstico de cada paciente tem se tornado ainda mais importante. Muitos marcadores imunohistoquímicos foram propostos e hoje já está estabelecido um perfil imunohistoquímico para utilização na rotina clínica de pacientes com câncer de mama. Os marcadores mais utilizados são o receptor de estrógeno (RE) e receptor de progesterona (RP). O proto-oncogene C-erb-B-2 ou oncogene HER-2/, tem sido mundialmente estudado dentro do contexto das neoplasias mamárias, já que a sua amplificação ocorre principalmente nessa classe tumoral. A partir destes marcadores foi observado que sua associação teria um interessante valor prognóstico. As claudinas são os principais componentes das "tight junctions" e a perda ou diminuição na expressão pode reduzir a adesão celular e consequentemente, aumentar o potencial da invasão e motilidade das células tumorais, associando claudinas ao processo de transição epitélio mesenquimal (EMT). Considera-se que a alta taxa de mortalidade no câncer de mama é decorrente da invasão tumoral e ocorrência de metástases. Acredita-se que este processo envolva a EMT, mecanismo transitório que ocorre durante a carcinogênese caracterizado pela mudança no fenótipo epitelial para mesenquimal, ocasionando a perda ou expressão reduzida dos marcadores de células epiteliais. Evidências ligando a EMT a células-tronco do câncer de mama (BCSCs) mostrou que a indução desse processo em células epiteliais mamárias transformadas in vitro, geram células com propriedades BCSCs. Em tumores de mama, uma pequena subpopulação de células cancerosas com o fenótipo antigênico CD44+/CD24- está presente. Dessa forma, é objetivo deste estudo: Verificar a imunoexpressão dos marcadores c-erb2, receptor de progesterona, receptor de estrógeno, CD44, CD24, claudina 3, 4 e 7, e-caderina, n-caderina, vimentina, assim como dos marcadores EMT Twist, Zeb 1 e Zeb 2) em carcinomas mamários ductais invasivos de grau I, II, III e IV nas hiperplasias ductais e relacioná-los com o prognóstico, através da avaliação da recidiva, metástase e tempo de sobrevida da doença. Os dados aqui obtidos poderão ser correlacionados a informações clínicas, e permitir, por exemplo, a distinção entre tumores altamente invasivos ou com baixa invasividade. Sendo assim, o estudo da atividade destas proteínas em células tumorais mamárias, tentará relacionar sua expressão com a progressão do tumor.