Busca avançada
Ano de início
Entree

Resistência tênsil de um latossolo vermelho eutroférrico submetido a diferentes usos e manejos

Processo: 12/23428-3
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Iniciação Científica
Vigência (Início): 01 de março de 2013
Vigência (Término): 31 de dezembro de 2013
Área do conhecimento:Ciências Agrárias - Agronomia - Ciência do Solo
Pesquisador responsável:José Eduardo Corá
Beneficiário:Felipe Biondi Fernandes de Lima
Instituição-sede: Faculdade de Ciências Agrárias e Veterinárias (FCAV). Universidade Estadual Paulista (UNESP). Campus de Jaboticabal. Jaboticabal , SP, Brasil
Assunto(s):Física do solo

Resumo

Resistência tênsil de um latossolo vermelho eutroférrico submetido a diferentes usos e manejos. Resumo: A hipótese do trabalho é que a tênsil (RT) de agregados do solo seja utilizada como indicadora do impacto do manejo na qualidade do solo, devido à resposta aos processos físicos e mecânicos ligados a manipulação dos mesmos, como o preparo, formação de crostas superficiais, emergência de plântulas e penetração radicular. O objetivo é avaliar os efeitos de diferentes sistemas de uso e manejo na resistência tênsil de agregados. O solo foi classificado como sendo um Latossolo Vermelho eutroférrico. Serão avaliadas sete situações de uso do solo: (a) mata nativa; (b) pastagem por mais de 30 anos; (c) sistema de plantio convencional por mais de 35 anos; sistemas de plantio direto (desde 1990) dividido em: (d) sucessão soja/milho, com adubação nitrogenada no milho; (e) sucessão soja/milho, sem adubação nitrogenada no milho; (f) sucessão milho/milho, com adubação nitrogenada no milho de verão; (g) sucessão milho/milho, sem adubação nitrogenada. Em cada situação de uso do solo serão coletados 4 blocos de solo por tratamento, com dimensões de 10x20x15 cm de altura, comprimento e largura, respectivamente, na camada 0-10 cm de profundidade. O tamanho desejado de agregados para a determinação da resistência tênsil será obtido por peneiramento, utilizando-se peneiras com abertura de malha entre 19,0 e 12,5 mm, conforme Imhoff et al. (2002). Todos os agregados passarão por um tratamento inicial, no qual, suas arestas serão desbastadas manualmente, contribuindo para que os agregados naturais adquiram formato esférico, sem que haja interferência na condição estrutural do solo (Grant et al.,1990). Posteriormente, metade dos agregados esféricos passará por outro tratamento, onde terão, individualmente, parte de sua superfície aplainada, denominada de área basal. Em decorrência de não haver delineamento experimental, cada situação de manejo do solo será considerada como uma amostra casualizada, com população de tamanho 40 (agregados de solo). Os dados coletados de cada situação de manejo serão analisados e descritos estatisticamente quanto à amplitude, frequência de distribuição, desvio padrão, mediana, média e erro padrão da média. A comparação das médias das situações de manejo será realizada por meio do teste t, a 5% de probabilidade.