Busca avançada
Ano de início
Entree

Revisão dos baiacus dulcícolas sul-americanos do gênero Colomesus gill, 1885 (Tetraodontiformes: Tetraodontidae)

Processo: 14/00609-8
Linha de fomento:Bolsas no Exterior - Estágio de Pesquisa - Doutorado
Vigência (Início): 23 de setembro de 2014
Vigência (Término): 22 de dezembro de 2014
Área do conhecimento:Ciências Biológicas - Zoologia - Taxonomia dos Grupos Recentes
Pesquisador responsável:Flávio Alicino Bockmann
Beneficiário:William Benedito Gotto Ruiz
Supervisor no Exterior: Richard P. Vari
Instituição-sede: Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras de Ribeirão Preto (FFCLRP). Universidade de São Paulo (USP). Ribeirão Preto , SP, Brasil
Local de pesquisa : Smithsonian National Museum of Natural History, Estados Unidos  
Vinculado à bolsa:12/11973-7 - Taxonomia, filogenia e biogeografia dos baiacus do gênero colomesus Gill, 1885 (Tetraodontiformes: Tetraodontidae), BP.DR
Assunto(s):Sistemática   Zoologia (classificação)

Resumo

Colomesus compreende baiacus de porte pequeno e coloridos, ocorrendo apenas no norte da América do Sul. Este gênero foi revisado há meio século, tendo seus problemas de nomenclaturas sido parcialmente solucionados. Atualmente, três espécies válidas são conhecidas: a marinha C. psittacus, e duas exclusivamente dulcícolas, C. asellus e C. tocantinensis. Nos últimos anos, uma grande amostragem do gênero (809 exemplares de 18 instituições) vem sendo estudado por nós, onde reconhecemos previamente que C. asellus é, de fato, um complexo de espécies. Até então, material de todas as sub-bacias Amazônicas e das bacias do Orinoco e Essequibo foram pesquisados. Entretanto, a maior parte do material analisado é do Brasil e uma pequena quantia é do Peru, Venezuela e Guiana. Para tanto, estão sendo tomadas 44 medidas morfométricas, análises osteológicas e contagens de camadas de dentes, raios branquiostegais, vértebras, pterigióforos e raios de nadadeiras. Os resultados alcançados até o momento foi o diagnóstico de cinco espécies dulcícolas no gênero, as duas válidas e outras três novas para a ciência: C. cf. asellus, com ocorrência no baixo Rio Essequibo, Guiana; C. tocantinensis, com ocorrência em drenagens do Escudo da Guiana e do Escudo brasileiro; Colomesus sp. n. 1, endêmica da bacia do Río Orinoco, Venezuela; Colomesus sp. n. 2, da bacia do Alto-Médio Rio Amazonas, Brasil e Peru; e Colomesus sp. n. 3, da calha Amazônica, Brasil. Cada espécie difere uma da outra com base na combinação de caracteres morfológicos. Apesar disso, material dos países Equador, Colômbia, Trinidad e Tobago, Suriname e Guiana Francesa, onde também ocorrem espécies deste gênero, que, são ausentes em coleções brasileiras, ainda não foram diretamente analisadas. O oposto disso está nas coleções norte-americanas, das quais, apresentam muitos lotes de Colomesus destes países. Assim, este pedido de bolsa, na etapa que se encontra a pesquisa, é oportuno para a análise destes materiais, onde se objetivam resultados mais robustos e uma formação profissional mais sólida para este aluno. (AU)