Busca avançada
Ano de início
Entree

Efeito da infecção com Candida albicans no desenvolvimento da encefalite autoimune experimental: determinação da distribuição das subpopulações de linfócitos T

Processo: 14/13746-3
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Iniciação Científica
Vigência (Início): 01 de setembro de 2014
Vigência (Término): 31 de agosto de 2016
Área do conhecimento:Ciências Biológicas - Imunologia - Imunologia Aplicada
Pesquisador responsável:James Venturini
Beneficiário:Laysla de Campos Toledo Leite
Instituição-sede: Faculdade de Ciências (FC). Universidade Estadual Paulista (UNESP). Campus de Bauru. Bauru , SP, Brasil
Assunto(s):Esclerose múltipla   Subpopulações de linfócitos T   Imunologia celular   Candida albicans

Resumo

A esclerose múltipla (EM) é uma doença autoimune grave que acomete o sistema nervoso central (SNC). Observações em pacientes e em modelos experimentais sugerem que os fungos e seus metabólitos podem contribuir com a patogênese da EM. Toxinas fúngicas, como a gliotoxina, um metabólito produzido por várias espécies dos gêneros Aspergillus e Candida, são capazes de atingir o SNC e determinar a morte apoptótica de astrócitos e oligodendrócitos. Em pacientes com EM foi constatada a presença de gliotoxina no líquido cérebro-espinhal e na urina; do mesmo modo, tanto anticorpos específicos como antígenos de Candida foram encontrados no sangue periférico e/ou no líquido cérebro-espinhal destes indivíduos. Apesar destes achados, pouco se conhece sobre o real papel dos fungos nesta patologia. Assim, no presente estudo objetivamos avaliar o efeito da infecção por Candida albicans no desenvolvimento da encefalite autoimune experimental (EAE), modelo utilizado para estudos desta patologia. Para isto, camundongos C57BL/6 serão infectados com C. albicans nos seguintes momentos: antes da indução da EAE, no período da fase aguda da doença e no da fase crônica desta doença. O efeito da infecção sobre o organismo como um todo será avaliado através de parâmetros clínicos (peso e escore clínico) e caracterização no tecido cerebral do processo inflamatório e da presença do fungo neste tecido. O envolvimento imunológico será avaliado pela determinação da distribuição fenotípica das subpopulações de linfócitos T (TCD4+, TCD8+, Th17 e Treg) no sangue periférico e no baço.