Busca avançada
Ano de início
Entree

Estudo do perfil molecular e relação filogenética entre fungos do gênero Fusarium obtidos do ar e isolados de hemoculturas de pacientes imunocomprometidos

Processo: 14/07403-6
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Iniciação Científica
Vigência (Início): 01 de agosto de 2014
Vigência (Término): 31 de dezembro de 2015
Área do conhecimento:Ciências da Saúde - Medicina - Clínica Médica
Pesquisador responsável:Maria Luiza Moretti
Beneficiário:Pamella Stivanelli
Instituição-sede: Faculdade de Ciências Médicas (FCM). Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP). Campinas , SP, Brasil
Assunto(s):Ar   Fusariose

Resumo

Espécies do gênero Fusarium podem causar infecções invasivas com altas taxas de mortalidade em pacientes com neutropenia severa e persistente. Entre os anos de 2006 e 2013, 34 pacientes do Hospital de Clínicas da Unicamp, Campinas/SP foram diagnosticados com fusariose invasiva. A incidência da doença em nosso hospital foi surpreendentemente superior à encontrada ao redor do mundo. Considerando que a qualidade do ambiente pode ter uma influência direta e significativa na ocorrência de infecções hospitalares, o objetivo desse trabalho é avaliar o ar hospitalar como possível fonte ambiental de fusariose em pacientes imunocomprometidos por técnicas moleculares. Serão avaliadas 32 amostras de Fusarium spp. isoladas do ar hospitalar (N=14) e hemoculturas de pacientes (N=18) obtidas no Hospital de Clínicas da Unicamp, Campinas/São Paulo. Quinze isolados clínicos e 13 ambientais foram classificados como F. solani sp.; três amostras clínicas e uma amostra ambiental foram identificadas como F. napiforme. As amostras serão submetidas ao sequenciamento das regiões ITS e D1/D2 do DNA ribossomal e haplótipos serão gerados para cada isolado pelo método de MLST. A relação evolutiva entre amostras clínicas e ambientais será realizada com o software MEGA5 (http://www.megasoftware.net/). Por essas análises, pretende-se estabelecer uma relação clonal entre espécimes recuperados do ambiente e amostras de sangue e confirmar o ar hospitalar como possível fonte de infecção por Fusarium spp. em indivíduos imunocomprometidos, alertando para a importância da manutenção de um ambiente controlado nas unidades hospitalares. Para o nosso conhecimento, não há estudos na literatura que estabeleceram a relação genética entre isolados de ar e amostras clínicas de Fusarium spp..