Busca avançada
Ano de início
Entree

Caracterização de agentes infecciosos na cardiomiopatia dilatada através das técnicas de microscopia eletrônica e microscopia ótica

Processo: 15/09311-4
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Programa Capacitação - Treinamento Técnico
Vigência (Início): 01 de julho de 2015
Vigência (Término): 31 de maio de 2017
Área do conhecimento:Ciências da Saúde - Medicina - Anatomia Patológica e Patologia Clínica
Pesquisador responsável:Maria de Lourdes Higuchi
Beneficiário:Aline Rolim de Souza
Instituição-sede: Instituto do Coração Professor Euryclides de Jesus Zerbini (INCOR). Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da USP (HCFMUSP). Secretaria da Saúde (São Paulo - Estado). São Paulo , SP, Brasil
Vinculado ao auxílio:11/12060-2 - Pesquisa morfo-biomolecular para detecção de agentes infecciosos na cardiomiopatia dilatada idiopática e miocardite linfocitária, AP.R
Assunto(s):Patógenos   Imuno-histoquímica   Micropartículas   Cardiomiopatias   Microscopia eletrônica

Resumo

A Insuficiência Cardíaca (IC) continua sendo um dos grandes problemas de saúde pública mundial. Nos Estados Unidos, onde cinco milhões de pacientes são afetados, cerca 30 a 40% falecem após um ano do diagnóstico inicial da doença. Os gastos relacionados à doença alcançam aproximadamente 30 bilhões de dólares; a complexidade, morbidade e mortalidade são semelhantes no Brasil. A pesquisa de agentes infecciosos pela biologia molecular tem mostrado a presença de agentes virais, Borrelia burgdorferi e Chlamydophila pneumoniae em grande parte dos casos de miocardite linfocitária e cardiomiopatia dilatada (CMD). Entretanto, os resultados de literatura sobre a incidência e a quantidade de agentes infecciosos são muito variáveis, assim como a resposta a tratamentos com o uso de drogas como antivirais ou imunomoduladores. Esta falta de uniformidade de resultados parece estar mais ligada a diferenças técnicas (modo de extrair o DNA, tipo primers utilizado, temperatura, etc), do que a diferenças epidemiológicas. Falando a favor desta teoria, a soma das porcentagens de positividade dos diferentes agentes infecciosos relatados na literatura ultrapassa em muito os 100%. Isto faz levantar a hipótese de que a co-infecção possa estar ocorrendo em maior frequência do que se acredita. A utilização de múltiplas técnicas de diagnóstico (pesquisa morfobiomolecular), envolvendo morfologia pela microscopia eletrônica, detecção do antígeno pela imunohistoquímica e o DNA pelo PCR real time ou hibridização in situ pode fornecer resultados mais confiáveis sobre a presença de um ou mais agentes infecciosos na biópsia endomiocárdica. Este resultado, em conjunto com análise da resposta imune, dados clínicos e histológicos pode direcionar de forma mais confiável, diferentes tratamentos que já vêm sendo propostos como uso de: antibióticos, imunomoduladores, imunossupressão ou antivirais. Os objetivos do presente trabalho são:1.Melhorar a sensibilidade e especificidade no diagnóstico de agentes infecciosos presentes no miocárdio de pacientes com insuficiência cardíaca por Cardiomiopatia dilatada idiopática ou suspeita de miocardite linfocitária idiopática utilizando a pesquisa morfo-biomolecular, que engloba as técnicas de microscopia eletrônica e imunohistoquimica, e, PCR tempo real somente dos agentes mais aumentados detectados pelos métodos imunohistoquimica e microscopia eletrônica.2.Verificar se os agentes infecciosos detectados na biópsia se correlacionam com micropartículas com DNA de arqueia e/ou a colagenase de arqueia AMZ1 pela hibridização in situ e imunohistoquimica na microscopia eletrônica. 3.Procurar se micropartículas com DNA e enzima de arqueia estão também presentes no soro e se correlacionam com a quantidade delas no coração.4.Verificar possível participação patogenética desses agentes, comparando com miocárdio "normal" de doadores de órgão e de necropsias do IML e se correlacionam com reação inflamatória (linfócitos, macrófagos, HLA-DR/DP/DQ e apoptose).5.Analisar se a terapia imunosupressora que é administrada ao paciente transplantado para evitar rejeição do órgão leva a aumento de alguns agentes infecciosos em comparação ao que está presente no coração "normal" do doador, ou no coração explantado, examinando as biópsias pós-transplante.Analisar dos casos do item 5 que evoluíram com rejeição, se a pulsoterapia (carga alta de corticóide) faz regredir alguns dos agentes infecciosos.

Mapa da distribuição dos acessos desta página
Para ver o sumário de acessos desta página, clique aqui.