Busca avançada
Ano de início
Entree

Avaliação dos efeitos modulatórios e mecanismos do fragmento sintético de leptina LEP5 na regulação da hematopoese de camundongos submetidos à desnutrição protéica

Processo: 15/04438-6
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Doutorado
Vigência (Início): 01 de outubro de 2015
Vigência (Término): 31 de outubro de 2018
Área do conhecimento:Ciências da Saúde - Medicina - Anatomia Patológica e Patologia Clínica
Pesquisador responsável:Ricardo Ambrósio Fock
Beneficiário:Carolina Carvalho Dias
Instituição-sede: Faculdade de Ciências Farmacêuticas (FCF). Universidade de São Paulo (USP). São Paulo , SP, Brasil
Assunto(s):Células-tronco hematopoéticas

Resumo

A desnutrição é responsável por 55% das mortes de crianças no mundo inteiro e é considerada a doença que mais mata crianças abaixo dos cinco anos de idade. A FAO (Food and Agriculture Organization), afirma que em 2012 havia cerca de 86 milhões de pessoas desnutridas mundialmente. A desnutrição protéico-energética (DPE) é a forma de desnutrição mais frequente e é definida pela OMS (Organização Mundial da Saúde), como: "um conjunto de condições patológicas que advém da menor ingestão, em proporções variadas, de proteínas e calorias". Já se sabe que a DPE provoca alterações hematológicas como a anemia e alterações histológicas na matriz extracelular (MEC) com: atrofia dos compartimentos eritróide, grânulo-monocítico e degeneração medular. A MEC também desempenha um papel essencial na modulação da resposta a fatores de crescimento, citocinas, modulando funções biológicas, como proliferação, diferenciação, adesão e migração das células hematopoéticas. A proteína leptina conhecida como hormônio da saciedade, não desempenha apenas papel na regulação metabólica e energética do organismo, como também possui inúmeras funções no sistema reprodutor, na resposta imune, na cicatrização de feridas, na vascularização, nas funções cardíacas, nos processos degenerativos como Alzheimer, no câncer de mama e na hematopoese. Desta forma, estudos relacionados à fragmentos peptídicos de leptina (bioativos), têm sido de grande importância, uma vez que são mais fáceis de serem produzidos e de baixo custo. Assim, em estudos anteriores com o fragmento LEP5, Ac-[Ser117]-hLEP116-140-NH2, este demonstrou bioatividade, pois aumentou a quantidade de células-tronco hematopoéticas em murinos e apresentou capacidade clonogênica quando aumentou a quantidade de CFU-GM. Sabendo que o sistema imuno-hematopoético de animais que possuem DPE é comprometido, estudaremos os efeitos modulatórios pelo fragmento sintético de leptina, LEP5, como também avaliaremos seu mecanismo de ação que não foi elucidado. (AU)