Busca avançada
Ano de início
Entree

Pele equivalente incorporada com células MUTTZ-3 derivadas de Langerhans: plataforma destinada a elucidação do mecanismo alergênico e distinção entre irritantes após exposição à ingredientes utilizados em corantes de cabelos permanentes

Processo: 15/23702-6
Linha de fomento:Bolsas no Exterior - Estágio de Pesquisa - Pós-Doutorado
Vigência (Início): 15 de abril de 2016
Vigência (Término): 14 de abril de 2017
Área do conhecimento:Ciências da Saúde - Farmácia
Pesquisador responsável:Silvya Stuchi Maria-Engler
Beneficiário:Thalita Boldrin Zanoni
Supervisor no Exterior: Susan Gibbs
Instituição-sede: Faculdade de Ciências Farmacêuticas (FCF). Universidade de São Paulo (USP). São Paulo , SP, Brasil
Local de pesquisa : University Amsterdam (VU), Holanda  
Vinculado à bolsa:14/15224-4 - Avaliação tóxica e imunotóxica de corantes de cabelos permanentes em modelos de pele artificial: busca por alternativas à experimentação animal, BP.PD
Assunto(s):Hipersensibilidade

Resumo

Atualmente milhares de milhões de pessoas utilizam tinturas de cabelos, entre elas, a classe mais representativa são as tinturas permanentes de cabelo que alcançam até 80% do consumo mundial. Os corantes de cabelos permanentes são formados após reacções sucessivas entre um intermediário primário (ex. P-f enilenodiamina) e um acoplador (ex. Resorcinol) que, depois de reacções oxidativas com peróxido de hidrogénio (H2O2) resultam em alteração permanente da fibra capilar. Em 2001, a União Europeia começou a reavaliar a toxicidade dos corantes capilares, desde 2007, 85 corantes capilares foram proibidos por não terem sido considerados seguros para os consumidores. Após um processo rotineiro de tintura capilar, a pele humana é a primeira via de exposição destes compostos químicos e por isso sua toxicidade deve ser avaliada. Considerando o exposto, o presente projeto tem como objetivo avaliar o potencial tóxico e sensibilizante de dois ingredientes que são altamente utilizados em formulações de corantes de cabelos permanentes, dentre eles a p-toluenodiamina (PTD) e o p-aminofenol (MAF), precursor e agente acoplador respectivamente. Até o momento, no presente projeto foram caracterizados os produtos de reacção entre os ingredientes propostos em condições oxidantes, utilizando métodos analíticos tais como cromatografia líquida ligada a espectrometria de massa. Além disso, avaliamos o potencial tóxico de cada compostos individualmente e suas respectivas misturas. Nosso resultados indicam que a mistura dos três componentes utilizadas para tinturas de cabelo permanentes (simulando uma exposição real de tintura de cabelo) aplicadas topicamente a epiderme e pele reconstruída resultou em danos na epiderme que atingem a camada basal, observamos também danos no estrato corneo destinado a proteção da pele humana além de fragmentação do DNA pela indução de morte celular por apoptose. Ainda, utilizando equivalentes de epiderme observamos que a aplicação tópica das misturas dos ingredientes estudados resultou em aumento de morte celular proporcional ao aumento da produção de citocinas relacionadas ao processo de sensibilização da pele humana, dentre elas (IL-18 e IL-1±). Os resultados obtidos até o momento indicam que as misturas dos ingredientes usados em formulações comerciais de corantes de cabelos permanentes são mais tóxicas para a pele humana quando comparados com cada ingrediente separadamente e por isso precisam ser melhor investigadas. Por isso, julgamos necessária a investigação dos mecanismos específicos de alergia na pele humana após aplicação tópica destes compostos, a utilização de um modelo de pele imunocompetentes incorporados com células dendritícas deverá elucidar os mecanismos de sensibilização além de distinguir irritantes de sensibilizantes. O desenvolvimento do presente estudo deverá contribuir globalmente para os estabelecimentos de novas metodologias in vitro capazes de substituir o uso de animais em pesquisas. O desenvolvimento de uma pele imunocompetente com incorporação de células dendritícas é uma metodologia inexistente no Brasil, e por isso promete trazer inovações científicas e pioneiras em ambos os níveis, nacional e internacional. Finalmente, este projeto tem como objetivo contribuir para o avanço na compreensão do potencial alergênico e tóxico dos componentes utilizados regularmente em corantes capilares permanentes utilizando metodologia inovadora científica promissoras. (AU)