Busca avançada
Ano de início
Entree

Ligando padrões macroecológicos em redes ecológicas a atributos funcionais das espécies: redes de plantas e beija-flores Nas Américas

Processo: 15/21457-4
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Pós-Doutorado
Vigência (Início): 01 de abril de 2016
Situação:Interrompido
Área do conhecimento:Ciências Biológicas - Ecologia - Ecologia de Ecossistemas
Pesquisador responsável:Marlies Sazima
Beneficiário:Pietro Kiyoshi Maruyama Mendonça
Instituição-sede: Instituto de Biologia (IB). Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP). Campinas, SP, Brasil
Assunto(s):Redes ecológicas   Polinização   Interação planta-animal

Resumo

Interações mutualísticas constituem um componente fundamental da biodiversidade e do funcionamento ecossistêmico. O entendimento sobre interações mutualísticas a nível de comunidade tem avançado consideravelmente devido ao uso crescente da abordagem de redes complexas. Estes estudos têm revelado alguns padrões constantes na organização da "teia da vida", e as propriedades estruturais nas redes são sugeridas como tendo fortes implicações para a estabilidade e dinâmica das comunidades. Diversos processos contribuem para a estruturação dessas redes de interações, mas estudos recentes revelaram a importância do acoplamento nos atributos das espécies, especialmente para sistemas mais especializados. Adicionalmente, estudos na área mostraram que é possível relacionar a estrutura das redes de interações com gradientes climáticos de larga escala. Embora os padrões em si variem, isso significa que potenciais mudanças climáticas podem afetar as estruturas das redes e consequentemente suas dinâmicas e a estabilidade. Para inferências mais precisas sobre como as interações entre as espécies serão afetadas de acordo com possíveis mudanças ambientais, é necessário primeiro caracterizar como potencias fatores estruturadores atuam para ligar as variáveis ambientais em larga escala às redes. Nesse projeto, é proposto investigar como o atributo das espécies está ligado a estruturação das redes, tanto em termos de variação na estrutura em uma ampla escala geográfica, como em relação a potenciais rearranjos ou "turnover" nas interações. Para isso, é proposto primariamente o uso de um amplo banco de dados de redes de interações entre plantas e beija-flores, fruto de uma colaboração internacional, que oferece um conjunto de dados distribuídos em todo o continente americano.

Mapa da distribuição dos acessos desta página
Para ver o sumário de acessos desta página, clique aqui.