Busca avançada
Ano de início
Entree

Análise de N mineral em solos cultivados com cana-de-açúcar

Processo: 16/00396-0
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Programa Capacitação - Treinamento Técnico
Vigência (Início): 01 de fevereiro de 2016
Vigência (Término): 31 de agosto de 2016
Área do conhecimento:Ciências Agrárias - Agronomia - Ciência do Solo
Pesquisador responsável:Rafael Otto
Beneficiário:Ellen Cristina Feltrin Amaral
Instituição-sede: Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz (ESALQ). Universidade de São Paulo (USP). Piracicaba , SP, Brasil
Vinculado ao auxílio:14/05591-0 - Transformações do N no solo e resposta da cana-de-açúcar à adubação nitrogenada em função da rotação com Crotalaria e remoção de palha, AP.BIOEN.R
Assunto(s):Crotalaria   Fertilidade do solo   Nitrogênio   Cana-de-açúcar

Resumo

A área cultivada com cana-de-açúcar está expandindo rapidamente no Brasil. Alguns produtores utilizam a rotação com leguminosas como Crotalaria visando proteger o solo no período chuvoso e aumentar a produtividade da cana que será plantada em sequência. A Crotalaria estabelece associação simbiótica com bactérias, contribuindo com fixação de N2 da ordem de 100 a 300 kg ha-1 N. O N a princípio está retido em formas orgânicas no tecido vegetal da crotalária que, por meio do processo de mineralização, será disponibilizado para o solo podendo ser absorvido pela cultura sucessora. A hipótese deste trabalho é de que a rotação com crotalária irá aumentar o teor de N mineral no solo (N-NH4+ e N-NO3- + N-NO2-) e reduzir a resposta à adubação nitrogenada da cana. O objetivo deste estudo será avaliar a dinâmica do N mineral no solo em área com e sem rotação com crotalária. Em dezembro de 2012, foi selecionada área de reforma de cana-de-açúcar, sendo cultivada Crotalaria junceae em metade da área e a outra metade deixada em pousio. Cerca de 90 dias após o plantio, a crotalária foi dessecada e realizado o plantio da cana-de-açúcar, que será colhida em meados de julho de 2014. O experimento a que se refere este estudo será instalado em meados de julho de 2014, após a colheita da cana-planta. Em cada área (com e sem rotação), serão aplicados os seguintes tratamentos: controle (sem N), 50, 100 e 150 kg ha-1 N (sem remoção de palha), 100 kg ha-1 N com remoção de 50% da palha e 100 kg ha-1 N com remoção de 100% da palha. Visando avaliar a dinâmica do N mineral no solo nas duas áreas (com e sem rotação), serão coletadas amostras de solo nas camadas de 0-20, 20-40, 40-60, 60-80 e 80-100 cm em quatro épocas: agosto de 2014, janeiro de 2015, agosto de 2015 e janeiro de 2016. As amostras serão coletadas nas parcelas controle e mantidas congeladas até análise. Em laboratório, o N mineral será extraído após agitação com KCl 2 M e, no extrato, os teores de amônio (N-NH4+) e nitrato + nitrito (N-NO3- + N-NO2-) serão determinados por método espectrofotométrico, em sistema que será instalado no laboratório justamente com esta finalidade. Portanto, o objetivo deste projeto é auxiliar na instalação do equipamento, calibração, testes de recuperação e na quantificação do teor de N mineral das amostras de solo da área experimental. (AU)

Matéria(s) publicada(s) na Agência FAPESP sobre a bolsa: