Busca avançada
Ano de início
Entree

Efeito do embrião sobre o processo luteolítico antecipado em vacas de corte suplementadas com P4

Processo: 15/26215-9
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Doutorado
Vigência (Início): 01 de julho de 2016
Vigência (Término): 31 de julho de 2018
Área do conhecimento:Ciências Agrárias - Medicina Veterinária - Reprodução Animal
Pesquisador responsável:Mario Binelli
Beneficiário:Thiago Martins
Instituição-sede: Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia (FMVZ). Universidade de São Paulo (USP). São Paulo , SP, Brasil
Vinculado ao auxílio:11/03226-4 - Assinaturas da receptividade, AP.TEM
Bolsa(s) vinculada(s):17/21415-5 - Identificação dos componentes do histotrofo que estimulam o alongamento do concepto de bovinos de corte suplementados com P4 no início do diestro utilizando a metabolômica, BE.EP.DR
Assunto(s):Gado Nelore   Corpo lúteo   Progesterona   Biotecnologia da reprodução   Prostaglandinas

Resumo

A suplementação com progesterona (P4) no início do diestro aumenta as taxas de prenhez, porém, também antecipa a regressão funcional e estrutural do corpo lúteo (CL) que pode prejudicar o sucesso da estratégia. Especulamos que essa antecipação (i.e. luteólise precoce) pode ser evitada pela presença do concepto (embrião + membranas anexas), que é o principal agente responsável pela manutenção do CL. Porém, esse efeito ainda não é conhecido e o presente estudo tem como objetivo investiga-lo. Para isso, foram propostos experimentos para testarem as seguintes hipóteses: (experimento 1) vacas inseminadas e suplementadas com P4 apresentam menor frequência de luteólise precoce que vacas não inseminadas e suplementadas com P4; (experimento 2) a presença do embrião em vacas suplementadas com P4 aumenta a probabilidade de concepção, por conseguinte, o processo luteolítico antecipado ocorrerá em menor proporção ou será anulado comparado com a ausência de embrião; (experimento 3) em vacas suplementadas com P4 a presença do embrião diminui a expressão dos receptores que controlam a liberação de PGF2a e desloca a síntese de PGF2a para PGE2 no endométrio. No experimento 1, vacas Nelore multíparas não lactantes detectadas em cio serão selecionadas para receberem 3 tratamentos: IA e 150 mg de P4 de longa ação (P4-LA) no Dia 3 (Dia 0: ovulação); diluente no momento da IA e 150 mg de P4-LA no Dia 3 (Controle positivo) ou diluente no momento da IA e placebo no Dia 3 (Controle negativo). No experimento 2, os animais serão selecionados no Dia 3 para receberem P4-LA ou placebo e transferência de 0, 1 ou 5 embriões (TE) no Dia 7 (fatorial 2x3). A função luteal nos experimentos 1 e 2 será monitorada diariamente por exame ultrassonográfico e Doppler e por dosagem de concentrações plasmáticas de P4 nos Dias 3, 9, 11, 13, 15, 17, 19 e 21. No experimento 3, as vacas serão tratadas no Dia 3 com P4-LA ou placebo e transferência de 0 ou 5 embriões no Dia 7 (fatorial 2x2). Fragmentos de tecido endometrial post-mortem serão coletados no dia que precede o momento de maior ocorrência de luteólise precoce, previamente estabelecido no experimento 2. Será analisada a abundância dos transcritos ligados ao controle do momento da luteólise [i.e. progesterone receptor (PGR), estrogen receptor 1 (ESR1), estrogen receptor 2 (ESR2), oxytocin receptor (OXTR)], à via de síntese de prostaglandinas (PGs) [i.e, phospholipase A2, grupo X (PLA2G10), prostaglandin-endoperoxidase synthase 2 (PTGS2)], à síntese de PGF2a [aldo-keto reductase, family 1, member B1 (AKR1B1), aldo-keto reductase, family 1, member C3 (AKR1C3), aldo-keto reductase, family 1, member C4 (AKR1C4), carbonyl reductase 1 (CBR1))] e à síntese de PGE2 [i.e. prostaglandin E synthase (PGES), prostaglandin E synthase 2 (PTGES2) e prostaglandin E synthase 3 (PTGES3)]. Nas vacas estimuladas com P4 espera-se que a incidência de luteólise precoce seja atenuada pela IA e TE ou até mesmo anulada pela transferência de 5 embriões. No endométrio das vacas estimuladas pela P4 a presença do concepto pode diminuir a expressão dos genes ESR1, ESR2 e OXTR, não alterar a dos PLA2G10 e PTGS2 (i.e, permanecem aumentados) e aumentar a expressão das PGE sintases (i.e. PGES, PGES2 e PGES3) em detrimento aos genes envolvidos com a síntese de PGF2a (i.e. AKR1B1, AKR1C3, AKR1C4 e CBR1). Busca-se com este estudo, dar maior suporte para o uso eficiente e seguro da suplementação com P4 injetável de longa ação.

Matéria(s) publicada(s) na Agência FAPESP sobre a bolsa:

Publicações científicas
(Referências obtidas automaticamente do Web of Science e do SciELO, por meio da informação sobre o financiamento pela FAPESP e o número do processo correspondente, incluída na publicação pelos autores)
MARTINS, T.; PUGLIESI, G.; SPONCHIADO, M.; CARDOSO, B. O.; DA SILVA, K. R.; CELEGHINI, E. C. C.; BINELLI, M. Supplementation with long-acting progesterone in early diestrus in beef cattle: II. Relationships between follicle growth dynamics and luteolysis. DOMESTIC ANIMAL ENDOCRINOLOGY, v. 68, p. 1-10, JUL 2019. Citações Web of Science: 0.
MARTINS, T.; PUGLIESI, G.; SPONCHIADO, M.; CARDOSO, B. O.; GOMES, N. S.; MELLO, B. P.; CELEGHINI, E. C. C.; BINELLI, M. Supplementation with long-acting progesterone in early diestrus in beef cattle: I. effect of artificial insemination on onset of luteolysis. DOMESTIC ANIMAL ENDOCRINOLOGY, v. 67, p. 63-70, APR 2019. Citações Web of Science: 1.
MARTINS, T.; TALAMONI, J. P.; SPONCHIADO, M.; MAIO, J. R. G.; NOGUEIRA, G. P.; PUGLIESI, G.; BINELLI, M. Impact of estradiol cypionate prior to TAI and progesterone supplementation at initial diestrus on ovarian and fertility responses in beef cows. Theriogenology, v. 104, p. 156-163, DEC 2017. Citações Web of Science: 6.
Publicações acadêmicas
(Referências obtidas automaticamente das Instituições de Ensino e Pesquisa do Estado de São Paulo)
MARTINS, Thiago. Efeitos luteolíticos e embriotróficos da suplementação de progesterona em bovinos de corte. 2018. Tese de Doutorado - Universidade de São Paulo (USP). Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia Pirassununga.

Por favor, reporte erros na lista de publicações científicas escrevendo para: cdi@fapesp.br.