Busca avançada
Ano de início
Entree

Caracterização das substâncias húmicas extraídas de hidrochar e solos terra mulata da região amazônica

Processo: 17/05408-9
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Iniciação Científica
Vigência (Início): 01 de maio de 2017
Vigência (Término): 31 de dezembro de 2019
Área do conhecimento:Ciências Exatas e da Terra - Química
Pesquisador responsável:Márcia Cristina Bisinoti
Beneficiário:João Vitor dos Santos
Instituição-sede: Instituto de Biociências, Letras e Ciências Exatas (IBILCE). Universidade Estadual Paulista (UNESP). Campus de São José do Rio Preto. São José do Rio Preto , SP, Brasil
Bolsa(s) vinculada(s):18/09914-9 - Ácidos húmicos e fúlvicos extraídos de carvão hidrotérmico e de solos antropogênicos: estudo da capacidade de complexação e caracterização utilizando técnicas de fluorescência molecular, BE.EP.IC
Assunto(s):Química ambiental   Substâncias húmicas   Biomassa   Carbonização

Resumo

Em várias regiões da Amazônia são encontrados solos de origem pré-colombianos denominados Terra Mulata, ricos em matéria orgânica bem como outros macro e micronutrientes, o que garante elevada fertilidade tendo as substâncias húmicas um papel importante. Vários estudos têm buscado produzir hidrochar, material sólido rico em carbono e nutrientes oriundos da carbonização hidrotérmica de diversas biomassas úmidas. Considerando a elevada disponibilidade de biomassa lignocelulósica no Brasil, a destacar bagaço da cana-de-açúcar e vinhaça, este trabalho tem como principal objetivo produzir hidrochar, seguido de comparação das características das substâncias húmicas (ácido húmico - AH, ácido fúlvico - AF e humina-H) presentes nesse com as encontradas nos solos Terra Mulata da Amazônia. Para isto, será feito a carbonização de vinhaça e bagaço de cana-de-açúcar bem como a recarbonização da água-mãe na presença de ácido sulfúrico e fosfórico. Os AH, AF e H serão extraídos dos solos Terra Mulata e dos hidrochars produzidos seguindo metodologia sugerida pela Sociedade Internacional de Substâncias Húmicas. Em todas as amostras serão feitas as caracterizações dos ácidos húmicos e fúlvicos empregando a Espectrofotometria de UV-VIS, Espectroscopia de Fluorescência Molecular, Espectroscopia de Infravermelho (FTIR), Análise elementar (CHN), e também análise da Capacidade de troca catiônica (CTC) dos solos e do hidrochar. Assim, espera-se que com a caracterização dos ácidos húmicos e fúlvicos seja possível melhor compreensão das características dos hidrochars, possibilitando o entendimento da ação deste no solo, visando sua aplicação como fertilizante. Uma vez identificada às características de suas substancias húmicas, será possível o entendimento de como as condições reacionais empregadas na produção dos hidrochars modificam as estruturas das substancias húmicas dos mesmos, possibilitando a determinação de qual condição de reação melhor atende as necessidades para que este atue como condicionante de solo. (AU)

Publicações científicas
(Referências obtidas automaticamente do Web of Science e do SciELO, por meio da informação sobre o financiamento pela FAPESP e o número do processo correspondente, incluída na publicação pelos autores)
DOS SANTOS, JOAO VITOR; FREGOLENTE, LAIS GOMES; MOUNIER, STEPHANE; HAJJOUL, HOUSSAM; FERREIRA, ODAIR PASTOR; MOREIRA, ALTAIR BENEDITO; BISINOTI, MARCIA CRISTINA. Fulvic acids from Amazonian anthropogenic soils: Insight into the molecular composition and copper binding properties using fluorescence techniques. ECOTOXICOLOGY AND ENVIRONMENTAL SAFETY, v. 205, DEC 1 2020. Citações Web of Science: 0.
DOS SANTOS, JOAO VITOR; FREGOLENTE, LAIS GOMES; MOREIRA, ALTAIR BENEDITO; FERREIRA, ODAIR PASTOR; MOUNIER, STEPHANE; VIGUIER, BRUNO; HAJJOUL, HOUSSAM; BISINOTI, MARCIA CRISTINA. Humic-like acids from hydrochars: Study of the metal complexation properties compared with humic acids from anthropogenic soils using PARAFAC and time-resolved fluorescence. Science of The Total Environment, v. 722, JUN 20 2020. Citações Web of Science: 1.

Por favor, reporte erros na lista de publicações científicas escrevendo para: cdi@fapesp.br.